Influências da Prática da Ginástica Para Todos Para a Saúde na Velhice: Percepções dos Praticantes

Por: Mariana Harumi Cruz Tsukamoto e Natália Lopes Moreno.

Conexões - v.16 - n.4 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O processo de envelhecimento é inerente ao ser humano. No entanto, é importante notar que, nos últimos tempos, a população idosa e a expectativa de vida aumentaram e, com isso, surge a preocupação com a saúde desse público.  O objetivo deste trabalho foi investigar a percepção de idosos praticantes de Ginástica Para Todos (GPT) a respeito das influências desta prática em sua saúde, considerando-se que esse programa pode contribuir para o bem-estar físico, social e psicológico desse público.  O estudo caracteriza-se como exploratório e qualitativo, e a coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, das quais participaram 11 idosos praticantes de GPT em São Paulo. Os dados, analisados por meio de análise de conteúdo, foram divididos em quatro categorias: "Reflexões sobre ser idoso", "Percepções sobre saúde", "O Programa" e "Benefícios". Os resultados apontaram que a sensação de pertencimento e o papel social são importantes para saúde do idoso. A prática da GPT pareceu estimular o autocuidado, a autonomia, a diversão e o bom humor. Logo, foi possível construir um cenário multifatorial que está relacionado à saúde do idoso, sendo que a GPT surge como uma possibilidade para desenvolver a promoção da saúde deste público.

Referências

ALMEIDA, Edelves Alves de. et al. Comparação da qualidade de vida entre idosos que participam e idosos que não participam de grupos de convivência na cidade de Itabira-MG. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 13, n. 3, p. 435-443, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232010000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 25 out. 2017.

ALMEIDA, Luciene Fátima Fernandes et al. Promoção da saúde, qualidade de vida e envelhecimento - A experiência do projeto "Em Comum-Idade: uma proposta de ações integradas para a promoção da saúde de idosos das comunidades de Viçosa-MG". Revista ELO – Diálogos em Extensão, v. 3, n. 2, p. 3763-3774, dez. 2014. Disponível em: http://www.elo.ufv.br/index.php/elo/article/view/52. Acesso em: 10 jul. 2017.

AYOUB, Eliana. Ginástica Geral e Educação Física Escolar. 2. ed. São Paulo: Unicamp, 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Ed. rev. e ampl. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Estatuto do idoso: lei federal nº 10.741, de 01 de outubro de 2003. Brasília, DF: 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estatuto_idoso_3edicao.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa Qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem. Florianópolis. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a17. Acesso em: 15 mai. 2017.

DENZIN, Norman Kent; LINCOLN, Yvonna Sessions. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, Norman Kent; LINCOLN, Yvonna Sessions. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-41.

EIRAS, Suélen Barboza et al. Fatores de adesão e manutenção da prática de atividade física por parte de idosos. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 31, n. 2, jan. 2010. Disponível em: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/705/410. Acesso em: 20 out. 2017.

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE GINÁSTICA. Manual de Ginástica Para Todos. 2016. Disponível em: http://www.fig-gymnastics.com/publicdir/rules/files/gfa/GfA_Manual-e.pdf. Acesso em: 03 abr. 2017.

FONSECA, Cristiane Costa et al. Autoestima e satisfação corporal em idosas praticantes e não praticantes de atividades corporais. Revista de educação fisíca UEM, Maringá, v. 25, n. 3, p. 429-439, set.2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-30832014000300429&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 out. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Glossário temático: Promoção da Saúde. Brasília. 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/glossario_tematico_promocao_saude.pdf. Acesso em: 25 out. 2017.

MINISTÉRIO DO ESPORTE. Diagnóstico Nacional de Esporte (DIESPORTE) - Caderno 2. Brasília. 2016. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/diesporte/diesporte_revista_2016.pdf. Acesso em: 25 out. 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Brasília: 2015. Disponível em: http://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf. Acesso em: 10 mar. 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acesso em: 10 mar. 2017.

PAOLIELLO, Elizabeth. Ginástica Geral: experiências e reflexões. São Paulo: Phorte, 2008.

PAPALIA, Diane. E.; FELDMAN, Ruth Duskin. Vida Adulta Tardia. In: PAPALIA, Diane. E.; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. 12. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013. p. 571-632.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (RIPSA). Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2008. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/indicadores.pdf. Acesso em: 03 abr. 2017.

RESENDE, Marineia Crosara de; NERI, Anita Liberalesso. Ajustamento psicológico e Perspectiva de velhice pessoal em adultos com deficiência física. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 14, n. 4, p. 767-776, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v14n4/v14n4a17. Acesso em: 20 out. 2017.

SIMÕES, Regina. (Re)quebrando e (re)bolando padrões com o idoso. In: GAIO, Roberta.; GÓIS, Ana Angélica Freitas; BATISTA, José Carlos Freitas (organizadores). A ginástica em questão: corpo e movimento. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2010. p.283-298.

SOUZA, Doralice. Lange de; VENDRUSCOLO, Rosecler. Fatores determinantes para a continuidade da participação de idosos em programas de atividade física: a experiência dos participantes do projeto “Sem Fronteiras”. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 24, n. 1, p. 95-105, jan./mar. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1807-55092010000100009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 25 out. 2017.

SOUZA, Maria Aparecida Ceciliano de (Org.) Esporte Para Idosos: uma abordagem inclusiva. São Paulo. Sesc: 2010.

TOLEDO, Eliana; TSUKAMOTO, Mariana Harumi Cruz; CARBINATTO, Michele Viviene. Fundamentos da ginástica para todos. In: NUNOMURA, Mirian. (Org.). Fundamentos da ginástica. 2. ed. Jundiaí: Fontoura, 2016. p. 12-40.

WICHMANN Francisca Maria Assmann et al. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, v.16, n. 4, p. 821-832, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v16n4/1809-9823-rbgg-16-04-00821.pdf. Acesso em: 10 ago. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Carta de Ottawa. 1986. In: MINISTÉRIO DA SAÚDE. As cartas de promoção à saúde. Brasília: 2002. p. 19-27. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf. Acesso em: 25 jul. 2017.

Endereço: https://doi.org/10.20396/conex.v16i4.8653930

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.