Iniciar ou Especializar: o Dilema Fatal e Contraditório do Educador Físico

Por: .

Educação Física Escolar e Esporte de Alto Rendimento: Dá Jogo?.

Send to Kindle


Resumo

A ampla produção dos intelectuais da teoria crítica da Escola de Frankfurt serviu como referências para reflexões acerca de como o esporte era um discurso ideológico representante das classes dominantes da sociedade. Pensadores como Adorno, Benjamim, Habermas, Horkheimer, Jurgen e Marcuse acusavam o caráter contraditório da “conquista racional” do mundo, destacando como a racionalidade técnica e científica converteria o homem num escravo de sua própria técnica, buscando provar que o avanço das ciências, da tecnologia e do progresso industrial cada vez mais afastava o homem da sua condição humana (VIANA, 1994).

Com base nessas ideias, o esporte também era, e ainda é, acusado de tornar o homem refém do sistema econômico vigente, a sociedade capitalista. Desta forma, as críticas marcadas pela utilização de termos como coisificação, alienação, repressão e manipulação incumbiram por associar os sistemas de ação do esporte e do trabalho, orientados pela lógica capitalista.

Assim, Torri e Vaz (2006) citam as denúncias realizadas pelos autores da Teoria Crítica do Esporte, acusando o paralelismo entre esporte e trabalho, com características de concorrência, disciplina, autoridade, rendimento e organização, com ênfase na ação repetitiva, mecanicista e estereotipada.

O princípio de rendimento inculcado no esporte, pela busca de recordes, vitória a qualquer custo; as imagens de mitos e heróis devido a seus feitos eternizados em recordes e façanhas, no intuito de utilizar suas imagens para vender sua força de trabalho; a espetacularização da mídia, também com a intenção de ganhar os benefícios do consumo na sua variedade de produtos, através de ibope e venda de materiais esportivos, usando a imagem desses atletas “heroicos”.

Referências

BERESFORD, H. A ética e a moral social através do esporte. Rio de Janeiro: Sprint, 1994, 98 p.

BETTI, M. A janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus, 1998.

_______ . Educação física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BRACHT, V. A criança que pratica esporte respeita as regras do jogo... capitalista. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v.7, n.2, p.62-68, 1986.

_______ . Esporte na escola e esporte de rendimento. Rev. Movimento, ano VI, n.12, p.14-24, 2000.

CAGIGAL, J.M. Deporte y agresión. Barcelona, Planeta, 1976.

CAILLOIS, R. Les jeux et les hommes. Paris: Folio Essais, 1993.

CIRULLI, A.A.; MACHADO, A.A. A torcida e o momento esportivo. In: MACHADO, A.A. (Org.). Psicologia do esporte: Temas Emergentes I. Jundiaí: Ápice, 1997, pp. 143-164.

CRATTY, B.J. Psicologia no esporte. 2.ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1984.

DURANT, M. El niño y el deporte. Madrid: Ediciones Paidós, 1990.

GILL, D. L. Psychological dynamics of sport. Champaign: Human Kinetics, 1986.

GUAY, H. La culture sportive. Paris: PUF, 1993.

HANIN, H.K. Emotions in sports. Illinois: H.K.P., 2000.

ISLER, G.L. Atleta, como seus pais o motivaram para a prática esportiva? Análise das histórias de vida. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.

JOLIBOIS, R.P. L’initiation sportive, de l’enfance à l’adolescence. Tournai: Casterman,1995.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. 6.ed. Ijuí: Unijuí, 2004.

MACHADO, A.A. (Org.) Psicologia do esporte, desenvolvimento humano e tecnologias: o que e como estudar. Várzea Paulista: Fontoura, 2014.

MACHADO, A.A. (Org.) Especialização esportiva precoce: perspectivas atuais da Psicologia do Esporte. Jundiaí: Fontoura, 2008.

MACHADO, A.A. Psicologia do esporte: da educação física escolar ao esporte de alto nível. Rio de Janeiro: Guanabara: Koogan, 2006.

MACHADO, A.A. Interferências da torcida na agressividade e ansiedade de atletas adolescentes. Rio Claro: UNESP (tese de livre- docência), 1998.

MACHADO, AA. Psicologia do Esporte: discussões preliminares. Psico-USF, v.01, p.99-110, 1996.

MACHADO, A.A. Aspectos psicopedagógicos da competição esportiva escolar. (tese de doutorado). Campinas: UNICAMP, 1989.

MACHADO, A.A.; GOMES, R. Psicologia do esporte: da escola à competição. Várzea Paulista: Fontoura, 2011.

MAGILL, R.A. Aprendizagem motora: conceitos e aplicações. São Paulo: Edgar Blucher Ltda, 1984.

MAGNANE, G. Sociologia do esporte. São Paulo: Perspectiva, 1969.

MARTENS, R. Anxiety and motor behavior. New York: J.Wiley& Sons, 1971.

MEDINA, J.P.S. A educação física cuida do corpo... e “mente”. 9.ed. Campinas: Papirus, 1990.

MOLINA, R.M.K., SILVA, L.O., SILVEIRA, F.V. Celebração e Transgressão: a representação do esporte na adolescência. Revista Brasileira de Educação Física, São Paulo, v.18, n.2, p.125-136. abr./jun. 2004.

MORGAN, W.P. Sport psychology in its own context: a recommendation for the future. In: SKINNER, J. S.; CORBIN, C. B.; LANDERS, D. M.; MARTIN, P. E.; WELLS, C. L. (eds). Future directions in exercise and sport science research. Champaign: Human Kinetics, 1989.

PRESOTO, D.; MACHADO, A.A.; GOUVÊA, F.C. Esporte na teoria crítica. In: MACHADO, A.A. Psicologia do esporte: da educação física escolar ao esporte de alto nível. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

RICHARDS, J.C. Beyond Training. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

RYAN, E.D. Sport and agression. In: W.C. SCHWANK (Ed.), The winning edge. Washington: American Alliance for Health, Physical Education, and Recreation. 1974.

RYAN, M-L. The pragmatics of personal and impersonal fiction. Columbus: Ohio State University Press, 1991.

ROFFÉ, M. Psicología del jugador de fútbol: con la cabeza hecha pelota. Buenos Aires: Lugar Editorial, 1999.

SINGER, R.N. Psicologia dos esportes: mitos e verdades. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1982.

_______ . Coaching, athetics, and psychology. New York: McGraw - Hill, 1997, 297p.

SIPES, R.H. War, sports, and agression: an empirical test of two rival theories. American Anthropologist, 75, p.64-86, 1973.

SOBRINHO, L.G.P.; MELLO, R.M.F. de; PERUGGIA, L. Influências de pais, técnicos e torcida. In: MACHADO, A. A. (Org.) Psicologia do esporte: Temas Emergentes I. Jundiaí: Ápice, 1997, pp. 57-80.

THOMAS, A. Esporte: uma introdução à psicologia. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1983.

TORRI, D.; VAZ, A.F. Do centro à periferia: sobre a presença da teoria crítica do esporte no Brasil. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v.28, n.1, pp.185-200, 2006.

VIANA, E. O poder no esporte. Rio de Janeiro: Sprint, 1994.

WEINBERG, R.S., GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.