Intensidade do Exercício Determina a Aptidão Cardiorrespiratória e a Qualidade de Vida em Mulheres Infartadas

Por: Cintia Laura Pereira de Araujo, Jamile de Almeida, Magnus Benetti, Rafaella Zulianello dos Santos e Ricardo Amboni.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.20 - n.3 - 2012

Send to Kindle


Resumo

Estudos que relacionam mulheres infartadas, exercícios físicos e saúde, têm contribuído para a compreensão da influência de hábitos sedentários com a incidência de doenças cardiovasculares nessa população. Objetivo: Comparar o efeito de diferentes intensidades de exercícios aeróbios sobre a capacidade funcional (VO2pico) e a qualidade de vida (QV) de mulheres pós infarto do miocárdio. Métodos: 42 mulheres (61,2 anos ± 3) participaram deste estudo prospectivo, com 12 semanas de treinamento físico de moderada intensidade (n= 14) a 70-80% da frequência cardíaca de pico, de baixa intensidade (n=14) a 50-60% da frequência cardíaca de pico, ou grupo controle (n=14), que recebeu acompanhamento clínico. O exercício aeróbio foi realizado cinco vezes por semana, 45 minutos por sessão, além de exercícios de resistência muscular e alongamentos. O VO2pico foi mensurado com teste cardiopulmonar e a QV avaliada pelo questionário MacNew. Resultados: ANOVA two-way revelou aumento significativo do VO2pico (p< 0,05) no grupo de moderada intensidade (21,65 ± 2,1ml/kg.min para 31 ± 2,8ml/kg.min) em relação ao grupo de baixa intensidade (24,1 ± 1,9 ml/kg.min para 26,9 ± 0,92 ml/kg.min), ainda, ambos os grupos de exercício aumentaram significativamente o VO2pico em relação ao grupo controle (23,35 ± 1,6 ml/kg.min para 22,5 ± 0,55 ml/kg.min) após intervenção. A QV teve melhora significativa (p

Endereço: http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/3435

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.