Interface Entre Uso de Drogas e Lazer Percepção de Usuários de Um Caps Ad de Cuiabá–mt

Por: Silvia Chwartzmann Halpern e Solange Silva Rocha.

Licere - v.22 - n.4 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Esta pesquisa objetivou investigar a percepção de usuários de um CAPS ad de Cuiabá/MT, sobre a interface entre lazer e uso de drogas. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva, com 10 participantes do sexo masculino, com idade média de 26 anos. Os dados foram coletados utilizando entrevistas semi estruturadas, e para análise a técnica de Análise de Conteúdo. Foram geradas quatro categorias: Interface entre lazer e uso de drogas; importância do lazer para a saúde; fatores que dificultam e que facilitam o lazer. Os participantes percebem prejuízos relacionados ao uso de drogas, atribuem dificuldade de acesso ao lazer decorrente da condição financeira, consideram que a mudança de comportamento pode facilitar a inserção do lazer na rotina. Compreendem que o lazer é importante para a saúde, e acreditam que o Estado deve contribuir com Políticas que promovam lazer acessível a todos.

Downloads

Referências

ABRAMOVAY, Mirian et al. Juventude, Violência e Vulnerabilidade Social na América Latina: desafios para Políticas Públicas. Brasília: UNESCO, BID, 2002.

ALMEIDA, Antônio Bettine de; GUTIERREZ, Gustavo Luis. Políticas Públicas de Lazer e Qualidade de vida. In:______. Qualidade de Vida e Políticas Públicas: saúde, lazer e atividade física. Campinas: IPES Editorial, 2004.

AMARAL, Kátia Oliveira. Hiperconectados. São Paulo: Polo Printer, 2015.

ANDRADE, Tania Moraes Ramos; RAMOS, Sérgio de Paula. Fatores de proteção e de Risco associados ao início do uso de cannabis: revisão sistemática. SMAD, Rev. Eletrônica de Saúde Mental Álcool e Drogas. Ed. Port. v. 7, n. 2, p. 98-106. Canoas (RS), maio-ago. 2011a.

ANDRADE, Tarcísio Matos. O uso de substâncias psicoativas no Brasil: epidemiologia, legislação, políticas públicas e fatores culturais. 4 ed. Brasília: Supera, 2011b.

APA. American Psychiatry Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5.5th.ed. Washington: American Psychiatric Association, 2013.

AQUINO, Michéle Malheiro Borges; CAVALCANTI, Maria Tavares. Os dispositivos de lazer no contexto da reforma psiquiátrica brasileira: o Clube do Lazer Cidadania Colônia, um estudo de caso. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund. São Paulo, v. 7, n. 4, p. 165-191, 2004.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa-Portugal: Edições 70, 1977.

BRASIL. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, Coordenação Nacional de DST/AIDS, 2003.

BRASIL .Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

______. Guia Estratégico de Cuidado em Álcool e Outras Drogas. Brasília: Ministério da Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005.

______. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude, e legislação correlata. Brasília: Diário Oficial da União, 2013.

______. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Um olhar sobre o jovem no Brasil. Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

______. Portaria 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece sobre CAPS I, CAPS II, CAPS III, CAPSi II e CAPS ad II. Brasília: Ministério da Saúde, 20 fev., 2002.

______. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras. São Paulo: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas: UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo 2010. SENAD - Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Brasília: SENAD, 2010.

CARNEIRO, Henrique. As necessidades humanas e o proibicionismo das drogas no século XX. Rev. Outubro IES. São Paulo, n. 6, p.115-28, 2002.

CASTIEL, Luis David.; ÁLVAREZ-DARDET, Carlos. A saúde persecutória: os limites da responsabilidade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

CRUZ, Maria Jesus Barreto. Uso de drogas entre jovens e adolescentes. Da curiosidade à dependência. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

DIGITAL World, Digital Life. Snapshots of our online behaviour and perspectives around the world. December, 2008. Disponível em: https://uploadi.www.ris.org/editor/1233258932TNS_Market_Research_Digital_World_Digital_Life.pdf/. Acesso em: 20 jul. 2019.

DUMAZEDIER, Joffre. As Drogas e a Revolução Social do Lazer. Belo Horizonte. Licere, v. 6, n. 2, p. 11-22, 2003.

______. Lazer e Cultura Popular. São Paulo: Perspectiva, 1976.

EDGINTON, Christopher R. The World Leisure Organization: Promoting Social, Cultural and Economic Transformation. Belo Horizonte. Licere, v. 10, n. 2, ago., 2007.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GROH, Vilson. IVG: O sonho que se sonha junto. In:______. Instituto Pe. Vilson Groh: olhares sobre atuação em rede. Florianópolis: Imaginar o Brasil Editora, 2015.

HOURCADE, Hernán; GUTIERREZ, Gustavo Luis. Qualidade de vida e os estudos sobre políticas públicas de lazer. In:_____. Qualidade de vida e Políticas Públicas: saúde, lazer e atividade física. Campinas: IPES Editorial, 2004.

LOUREANO, Frederico Ojeda; VALLADARES, Angelise. Qualificação Profissional e Empregabilidade na Grande Cuiabá. UNICiências, v. 6, Cuiabá, 2002.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Políticas de lazer: mercadores ou educadores? Os cínicos bobos da corte. In: MARCELLINO, Nelson Carvalho. (Org.). Lazer e esporte: políticas públicas. Campinas: Autores Associados, 2001.

MARCHESE, Daniella; VILELA Jr, Guanis de Barros. O Lazer como possível espaço/tempo para o consumo de drogas. Belo Horizonte. Licere, v. 14, n. 4, dez., 2011.

MELO, Victor Andrade de; PERES, Fabio Farias. A cidade e o lazer: as desigualdades sócio-espaciais na distribuição dos equipamentos da cidade do Rio de Janeiro e a construção de um indicador que oriente as ações em politicas públicas. Movimento, Porto Alegre, v. 11, n. 3, p, 127-151, setembro/dezembro de 2005.

MILHIN, Fernanda Roberta Ribeiro et al. Estudos preliminares das características higrotérmicas em ambiente de lazer: pista de Caminhada da UFMT. ENTAC. ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 14, 2012. Anais... Juiz de Fora, 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Sousa et al. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 7-18, 2000.

NASI, Cíntia et al. Conceito de integralidade na atenção em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica. Reme - Revista Mineira de Enfermagem, v. 13, n. 1, p. 147-152, jan- mar., 2009.

OLIVEIRA, Marcela et al. Lazer e Juventude: análise das propagandas de cerveja veiculadas na televisão. Revista da Educação Física/UEM, v. 22, n. 4, p. 535-546. Maringá, 2011.

PASQUIM, Heitor Martins; SOARES, Cássia Baldini. Lazer, saúde coletiva e consumo de drogas. Belo Horizonte. Licere, v. 18, n. 2, jun., 2015.

PEUKER, Ana Carolina et al. Processo Implícito e Dependência Química: Teoria, Avaliação e Perspectivas. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 29, n. 1, p. 7-14, Porto Alegre, jan-mar., 2013.

PINSKY, Ilana; EL, JudlSarj. O impacto da publicidade de bebidas alcoólicas sobre o consumo entre jovens: revisão da literatura internacional. Revista Brasileira de Psiquiatria, Porto Alegre, v. 30, n. 4, p. 362-374, 2008.

PONDÉ, Milena Pereira; CARDOSO, Carlos. Lazer como fator de proteção em saúde mental. Revista de Ciências Médicas, v. 12, n. 2, p. 163-172, Campinas, abr-jun., 2003.

ROMERA, Liana Abraão. Esporte, Lazer e Prevenção ao uso de Drogas: dos discursos equivocados aos caminhos possíveis. Belo Horizonte. Licere, v. 16, n. 4, p.1-319, dez., 2014.

REEVES, Joy B.; DARVILLE, Ray L. Social contact patterns and satisfaction with retirement of women in dual-career/earner families. International Journal of Aging & Human Development, 39, n.2, 163-175, 1994.

SANTOVITO, T.C. A Eficácia da Administração Pública Frente ao Lazer: o caso de São Paulo. Dissertação de Mestrado – Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1988. Apud HOURCADE, Hernán; GUTIERREZ, Gustavo Luis. Qualidade de vida e os estudos sobre políticas públicas de lazer. In:_____. Qualidade de vida e Políticas Públicas: saúde, lazer e atividade física. Campinas: IPES Editorial, 2004.

SCHENKER, Miriam; MINAYO, Maria Cecília de Souza. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciênc. Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, n. 03, p. 707-717, set. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000300027&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 jul. 2019.

SILVEIRA, Rodrigo Eurípedes; SANTOS, Álvaro da Silva. Contextos de vulnerabilidade entre adolescentes do ensino fundamental de Uberaba/MG. Enfermagem em Foco. v. 3, n. 4, p.182-185, Uberaba, 2012.

TAFFAREL, Celi Sulke. Ocio y proyecto histórico. Revista Educación Física y Deporte. v. 31, n. 2, p. 1081-1094, Medellín, 2012.

TINSLEY, H.E.A., TEAFF,J.D., COLBS,S.L. A System of classifying leisure activities in terms of the psychological benefits of partipation reported by older persons. Journal of Gerontology, v.40, n.2, 1985. P.172-78. Apud PONDÉ, Milena Pereira. Lazer e Saúde Mental. Salvador: Fbdc, 2007.

Endereço: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/16280

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.