Investigação dos Efeitos da Hidroginástica Sobre o Equilíbrio, o Risco de Quedas e o Imc de Mulheres na Terceira Idade: Um Estudo no Sesc-fortaleza

Por: Fabiana Rodrigues de Sousa, Holdayne do Nascimento Pereira, Jaina Bezerra de Aguiar, Luilma Albuquerque Gurgel, Mozart Cristiano Ferreira dos Santos e Rômmulo Celly Lima Siqueira.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo


Introdução: Com o aumento crescente da população de idosos em todo o mundo,
a preocupação em garantir qualidade de vida para eles deve também ser aumentada.
As quedas ocasionadas pela diminuição do controle do equilíbrio corporal devem
ser evitadas, devido aos danos físicos e psicológicos causados. A presente pesquisa
foi realizada com o propósito de investigar os possíveis efeitos da hidroginástica
sobre o equilíbrio corporal, o risco de quedas e o índice de massa corpórea (IMC) de
mulheres da terceira idade. Material e Método: Esta pesquisa foi realizada no Serviço
Social do Comércio (SESC), em Fortaleza, com 40 mulheres, entre 60 e 80 anos,
sendo 20 praticantes de hidroginástica há mais de 6 meses e 20 sedentárias. O equilíbrio
foi avaliado através do Teste da Escala de Equilíbrio de Berg (EEB). Para se obter o
índice de risco de quedas, os escores obtidos na EEB foram aplicados na equação:
100% x EXP (10,46 - 0,25 x escore EEB + 2,32 x história de instabilidade) / [1 +
EXP (10,46 - 0,25 x escore EEB + 2,32 x história de instabilidade)]. Na história de
instabilidade foi atribuído o valor zero quando não houve relato de história de
instabilidade, e o valor um, quando houve. O IMC foi determinado pela fórmula:
peso(kg)/estatura(m)2 (balança com estadiômetro, marca Filizola®).A pesquisa foi
aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual do Ceará.
Resultados:A média dos escores obtidos no teste da EEB no grupo das mulheres
praticantes de hidroginástica (55,15±0,20) foi significativamente maior (p<0,001)
que a média obtida no grupo sedentário (49,35±0,91). O percentual de mulheres
com história de quedas no grupo praticante de hidroginástica foi 33,33% menor
que o encontrado no grupo sedentário. A média do risco de quedas obtida no grupo
sedentário (38,77±5,47%) foi significativamente maior (p<0,01) do que encontrada
no grupo praticante de hidroginástica (20,55±2,76%). No grupo sedentário o IMC
foi classificado como normal em 30% das mulheres, 40% delas apresentaram
sobrepeso grau 1 e 30% apresentaram sobrepeso grau 2. No grupo praticante de
hidroginástica o IMC encontrava-se normal em 45% das mulheres, no entanto,
50% apresentaram sobrepeso grau 1 e 5% apresentaram sobrepeso grau 2.
Conclusões: Verificamos que a hidroginástica possivelmente contribui para a melhoria
do equilíbrio e conseqüente redução no risco de quedas de mulheres da terceira
idade, além de ajudar no controle da obesidade

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/62_Anais_p235.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.