Investigando o Estado de Hidratação, Respostas Metabólicas e Desempenho Cognitivo-motor nos Ciclistas Sob Estresse de Calor

Por: Edla a Herculano, Eduardo S Prado, Luis Fernando Sousa Filho, Natally M de Oliveira, Rafaela C P Lima, Rosemeire D de Almeida, Saulo Ras Camerino e Thassia C L França.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.27 - n.2 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar o estado de hidratação, as respostas metabólicas e o desempenho cognitivo-motor durante uma corrida de bicicleta combinada no calor. A corrida de ciclismo combinada (como uma corrida de ciclismo simulada), consistiu em 67 km sob condições de estresse de calor. Antes e depois da corrida ciclística, dez ciclistas do sexo masculino (30,5 ± 4,9 anos) foram avaliados quanto ao estado de hidratação, parâmetros bioquímicos e hematológicos e desempenho cognitivo-motor. Amostras de sangue foram coletadas para análise bioquímica e hematológica. O estado de hidratação foi avaliado avaliando-se uma alteração na perda percentual da massa corporal (≥% da MC), cor urinária, gravidade específica e parâmetros sanguíneos. Para avaliar o desempenho cognitivo-motor, medimos a memória imediata, a coordenação motora e o tempo de reação. As condições ambientais durante o exercício foram em média de 27,1 ± 0. 7 ° C para o índice de temperatura de globo de bulbo úmido (WBGT). O estado de hidratação (?% BM: - 3,26 ± 0,57), demonstrou que os ciclistas foram desidratados após a corrida. Encontramos um aumento nas concentrações de amônia (%%: 74,94 ± 18,64) e seus metabólitos (uréia e urato) após a corrida. As concentrações de glicose no sangue e lactato não foram significativamente diferentes após a corrida. O exercício promoveu um aumento significativo nos biomarcadores enzimáticos para danos musculares. As contagens de glóbulos vermelhos não foram alteradas. No entanto, a contagem de leucócitos (?%: 178,55 ± 28,64) aumentou significativamente. Nenhuma mudança foi observada nas tarefas cognitivo-motoras. Nessas condições, os resultados do presente estudo indicam que a desidratação e / ou hiperamonemia não afetam negativamente o desempenho cognitivo-motor em ciclistas aclimatados. O estado de hidratação (?% BM: - 3,26 ± 0,57), demonstrou que os ciclistas foram desidratados após a corrida. Encontramos um aumento nas concentrações de amônia (%%: 74,94 ± 18,64) e seus metabólitos (uréia e urato) após a corrida. As concentrações de glicose no sangue e lactato não foram significativamente diferentes após a corrida. O exercício promoveu um aumento significativo nos biomarcadores enzimáticos para danos musculares. As contagens de glóbulos vermelhos não foram alteradas. No entanto, a contagem de leucócitos (?%: 178,55 ± 28,64) aumentou significativamente. Nenhuma mudança foi observada nas tarefas cognitivo-motoras. Nessas condições, os resultados do presente estudo indicam que a desidratação e / ou hiperamonemia não afetam negativamente o desempenho cognitivo-motor em ciclistas aclimatados. O estado de hidratação (?% BM: - 3,26 ± 0,57), demonstrou que os ciclistas foram desidratados após a corrida. Encontramos um aumento nas concentrações de amônia (%%: 74,94 ± 18,64) e seus metabólitos (uréia e urato) após a corrida. As concentrações de glicose no sangue e lactato não foram significativamente diferentes após a corrida. O exercício promoveu um aumento significativo nos biomarcadores enzimáticos para danos musculares. As contagens de glóbulos vermelhos não foram alteradas. No entanto, a contagem de leucócitos (?%: 178,55 ± 28,64) aumentou significativamente. Nenhuma mudança foi observada nas tarefas cognitivo-motoras. Nessas condições, os resultados do presente estudo indicam que a desidratação e / ou hiperamonemia não afetam negativamente o desempenho cognitivo-motor em ciclistas aclimatados. Encontramos um aumento nas concentrações de amônia (%%: 74,94 ± 18,64) e seus metabólitos (uréia e urato) após a corrida. As concentrações de glicose no sangue e lactato não foram significativamente diferentes após a corrida. O exercício promoveu um aumento significativo nos biomarcadores enzimáticos para danos musculares. As contagens de glóbulos vermelhos não foram alteradas. No entanto, a contagem de leucócitos (?%: 178,55 ± 28,64) aumentou significativamente. Nenhuma mudança foi observada nas tarefas cognitivo-motoras. Nessas condições, os resultados do presente estudo indicam que a desidratação e / ou hiperamonemia não afetam negativamente o desempenho cognitivo-motor em ciclistas aclimatados. Encontramos um aumento nas concentrações de amônia (%%: 74,94 ± 18,64) e seus metabólitos (uréia e urato) após a corrida. As concentrações de glicose no sangue e lactato não foram significativamente diferentes após a corrida. O exercício promoveu um aumento significativo nos biomarcadores enzimáticos para danos musculares. As contagens de glóbulos vermelhos não foram alteradas. No entanto, a contagem de leucócitos (?%: 178,55 ± 28,64) aumentou significativamente. Nenhuma mudança foi observada nas tarefas cognitivo-motoras. Nessas condições, os resultados do presente estudo indicam que a desidratação e / ou hiperamonemia não afetam negativamente o desempenho cognitivo-motor em ciclistas aclimatados. As concentrações de glicose no sangue e lactato não foram significativamente diferentes após a corrida. O exercício promoveu um aumento significativo nos biomarcadores enzimáticos para danos musculares. As contagens de glóbulos vermelhos não foram alteradas. No entanto, a contagem de leucócitos (?%: 178,55 ± 28,64) aumentou significativamente. Nenhuma mudança foi observada nas tarefas cognitivo-motoras. 

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/9348

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.