Jogos dos Povos Indigenas: Trajetórias e Interlocuções

Por: Deoclécio Rocco Gruppi.

2012 28/02/2012

Send to Kindle


Resumo

O objetivo desta pesquisa é o estudo das figurações e relações de poder imbricadas nos Jogos dos Povos Indígenas (JPIs). E os objetivos específicos da pesquisa são: Identificar e analisar as instituições que constituem os Jogos dos Povos Indígenas; registrar a história de vida dos organizadores: Carlos Justino Terena e Mariano Marcos Terena, idealizadores dos Jogos dos Povos Indígenas; relacionar a influência dos Jogos Escolares Brasileiros na história de vida dos idealizadores dos Jogos dos Povos Indígenas; compreender as relações entre os idealizadores dos JPIs e o Ministério do Esporte; analisar as práticas corporais nos Jogos dos Povos Indígenas no viés das teorias de Norbert Elias, e Pierre Parlebás. Os Jogos dos Povos Indígenas em suas edições têm demonstrado aspectos que os tornam um evento relevante para a sociedade brasileira, como a representação de novas formas de jogar e celebrar. Esses Jogos têm como característica principal a celebração, o encontro, o conhecimento de outros povos e o reencontro com outros, fazendo com que sejam reconhecidos por suas diversidades culturais. As primeiras participações de jovens indígenas nos Jogos Escolares Brasileiros foi um momento significativo para os irmãos Carlos Justino Terena e Mariano Marcos Terena que almejavam a presença indígena nessa competição. A primeira participação indígena nos Jogos Escolares Brasileiros partiu da iniciativa de se levar um arqueiro para distinguir, ou seja, uma outra maneira de demonstrar suas práticas corporais. E é a partir daí que se começa a desenvolver propostas para os Jogos dos Povos Indígenas. A metodologia utilizada neste trabalho é qualitativa. As fontes selecionadas foram obtidas na legislação, em documentos oficiais e no acervo de banco de dados e imagens intitulado "Jogo, Celebração, Memória e Identidade: Reconstrução da Trajetória de Criação, Implementação e Difusão dos Jogos dos Povos Indígenas no Brasil (1996-2009)", que contêm a memória sobre os jogos dos povos indígenas. Esta pesquisa leva em conta a interdisciplinaridade, apoiando-se no conhecimento da Sociologia, Antropologia, Educação Física e História. O presente trabalho está centralizado principalmente nas ações do Comitê Intertribal Ciência e Memória Indígena e o Ministério do Esporte, por serem os principais protagonistas e estabelecerem relações conjuntas e muito próximas na realização dos Jogos dos Povos Indígenas. Para análise de dados e interpretação das fontes foram justapostos documentos, relacionando texto e contexto. Nos Jogos dos Povos Indígenas e nos Jogos Escolares Brasileiros podemos encontrar alguns aspectos comuns, no que diz respeito à organização e fórum de debates, organizações esportivas têm o mesmo formato, como toda forma de competição. Por outro lado nos Jogos dos Povos Indígenas a filosofia é diferente dos Jogos Escolares Brasileiros. As relações do Comitê Intertribal e Ministério do Esporte referente aos Jogos dos Povos Indígenas perpassam pela lógica na organização de um evento esportivo e pelas relações interpessoais. Vale lembrar que os Jogos dos Povos Indígenas propiciaram relações intersetoriais do Ministério do Esporte com outros Ministérios. Nas relações entre os organizadores indígenas e os representantes do Ministério do Esporte há encontros/desencontros nas ações da coordenação dos Jogos dos Povos Indígenas. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000904771&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.