Lactato Mínimo, Limiar Anaeróbio e Velocidade Crítica de Nado em Meninos

Por: Andreia Gulak, , Juliana Melo, Leandro Ricardo Altimari, Mara Patrícia Traína Chacon-Mikahil e Marcus Vinicius Machado.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Na natação, os atletas iniciam muito cedo as avaliações e os programas intensivos de
treinamento, sendo assim, parece ser extremamente interessante analisar a validade
de protocolos de determinação do limiar anaeróbio que sejam mais rápidos e práticos
no que diz respeito às suas aplicações. Desse modo, o propósito deste estudo foi
comparar as velocidades de lactato mínimo (VLacmin), a velocidade de limiar
anaeróbio (VLAn) e a velocidade crítica (Vcrit) de 10 meninos (14,8 ± 0,6 anos; 64,4
± 8,2 kg e 174,1 ± 8,3 cm), nadadores de nível nacional. Os testes para determinação
da VLacmin, VLAn e Vcrit foram realizados em uma piscina de 25 m, sendo realizadas
cinco ou seis avaliações com intervalo de 24 a 48 horas entre as mesmas. A VLacmin
foi obtida por meio de dois esforços máximos de 50 m, com intervalo de 1 min,
para a indução de acidose lática. Após 8 min de recuperação passiva, os atletas
iniciaram um protocolo incremental com estágios de 300 m, com velocidade inicial
entre 1,10 e 1,25 m/s e incrementos de 0,05 m/s a cada repetição até a exaustão
(RIBEIRO et al., 2003).A VLacmin foi considerada aquela com a menor concentração
sangüínea de lactato durante a fase progressiva do teste. A VLAn foi determinada
através de metodologia similar a proposta por MADER et al. (1978), utilizando-se
concentração fixa de 3,5 mM de lactato sangüíneo (HECK et al., 1983). A Vcrit foi
determinada a partir de tiros máximos nas distâncias de 50, 100, 200 e 400 m,
realizados em ordem aleatória durante as sessões de treinamento, considerando a
inclinação (b) da reta de regressão linear entre as distâncias e seus respectivos tempos
obtidos em cada repetição (WAKAYOSHI et al., 1992). Para tratamento dos dados foi
empregado análise de variância (ANOVA) para medidas repetidas seguido do teste
post hoc de Scheffé, e teste de correlação linear de Pearson (p<0,01).A VLacmin e
a VLAn não apresentaram diferença significante entre si (1,28 ± 0,05 vs. 1,29 ± 0,04
m/s, r= 0,94, respectivamente), bem como a VLacmin e a Vcrit (1,28 ± 0,05 vs. 1,29
± 0,05 m/s, r= 0,93, respectivamente). Constatou-se ainda que a VLAn foi semelhante
a Vcrit (1,29 ± 0,04 vs. 1,29 ± 0,05 m/s, r= 0,85, respectivamente). A partir dos
resultados, sugere-se a adoção de ambos os métodos para avaliação da capacidade
aeróbia de nadadores jovens. Em adição, mais estudos são necessários para analisar
a validade desses métodos na determinação do MEEL em nadadores jovens. Suporte:
Pós-Graduação/FEF, CNPq e FAPESP

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/64_Anais_p277.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.