Lazer na área de Drogas: Construção Coletiva de Crítica e de Práticas Emancipatórias

Por: .

2017 29/03/2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O objeto desta tese é a potencialidade educativa do lazer para gerar crítica sobre a ideologia do consumo problemático de drogas. Revisão bibliográfica sobre o lazer em unidades de saúde mostrou que ele é reconhecido como espaço para recreação ou como atividade que ocupa o tempo. A maior parte dos artigos científicos relatava objetivos funcionalistas para o lazer, o que remete ao lazer viciado, conceito cunhado para designar a forma hegemônica do lazer capitalista na área de drogas. Os aplicativos para dispositivos móveis e os jogos educativos sobre drogas analisados não incentivavam a discussão do processo de produção de drogas lícitas e ilícitas, tampouco abordavam o consumo problemático de drogas como consequência de relações sociais alienadas e do mal-estar contemporâneo. Apesar da potencialidade educativa que os jogos e os aplicativos oferecem, as finalidades detectadas reiteravam posições amplamente criticadas no campo da saúde, filiadas ao proibicionismo e à guerra às drogas. Objetivo: Construir arcabouço teórico-metodológico para uma proposta crítica ao lazer viciado da área de drogas. Parte-se da perspectiva da saúde coletiva para compreender os problemas relacionados ao consumo de drogas como determinados socialmente e por isso, intimamente, ligados à totalidade social, expressando-se como sintomas de conflitos, que indivíduos e grupos sociais enfrentam no cotidiano. Método: Realizou-se pesquisa-ação com trabalhadores da saúde mental, por meio de oficinas emancipatórias, coerentes com a epistemologia materialista histórico-dialética. Resultados: As oficinas emancipatórias permitiram transformação de representações cotidianas, assim como, identificação de convicções de trabalhadores da saúde mental. Entre estas estavam: a concepção enraizada da dependência química, da educação sobre drogas como prevenção ao uso e do lazer como atividade terapêutica. São representações ilusórias que tomam o consumo de drogas como doença. Os resultados afirmam a necessidade de construção de práticas críticas à ideologia da doença mental e comportamental do consumo de drogas. Conclusões: Fundamentado na perspectiva da saúde coletiva, o arcabouço teórico-metodológico concebido nesta pesquisa propõe a realização de oficinas emancipatórias de lazer em serviços de saúde e intersetorialmente nos serviços de educação, entre outros, que trabalham com a temática do consumo de drogas, mantida a coerência com o referencial teórico, que propõe a crítica a relações sociais alienadas. Essa estratégia pode se valer de conteúdos lúdicos, esportivos, culturais, entre outros. Advoga-se que o processo educativo tem potencial emancipatório se for radicalmente participativo; e que as formas contemporâneas de vivenciar o tempo de não trabalho, que compõem as estratégias de alívio do mal-estar social na atualidade, podem ser problematizadas. Tal problematização deve iluminar o embate entre projetos de hegemonia no capitalismo, o que é potencialmente fortalecedor para os participantes, na medida em que desnaturaliza a alienação que produz desentendimentos e frustrações. Sugere-se ainda, como material de apoio educativo, o jogo Cidade Dorme: representações cotidianas sobre drogas, legitimado coletivamente nesta pesquisa.

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-28062017-083922/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.