Lazer e Reclusão: Contribuições da Teoria da Ação Comunicativa

Por: .

160 páginas. 2003 09/12/2003

Send to Kindle


Resumo

A dissertação gira em tomo de uma grande provocação às teorias do lazer ligadas à dicotomia do tempo produtivo e tempo livre, por isso a escolha do presídio. Com Habermas é possível trazer dois campos teóricos do lazer distintos, os que estruturam o lazer pela cultura e outro referencial que valoriza um lazer pago, mostrando que é plausível compreender o lazer em um sentido amplo sem direcioná-Io a uma análise única. No lazer, a teoria habermasiana ampara a critica à dicotornia Lazer- Trabalho, bem como as teorias normativas do lazer ou as que referem o lazer pelo viés funcionalista ligado a um lazer mercadoria. A Teoria da Ação Comunicativa explica o lazer pela busca do prazer, neste referencial abarca a cultura (mundo da vida) e a industria cultural (sistema), sendo uma importante teoria para entender a totalidade das práticas de lazer contemporâneas. Ao analisarmos o presídio pela Teoria da Ação Comunicativa, podemos inserir no presídio o conceito de ação, ampliando-o. Mostrando que não somente de ações estratégicas vive o presídio. O grupo de amigos, as formas de solidariedade, a própria linguagem desenvolvida são exemplos da existência do agir comunicativo e da cooperação. Com um entendimento amplo do lazer e presídio é possível entender o lazer dos presos a partir dos valores trazidos do mundo da vida e também pela construção das normas internas na reclusão. Por isso o lazer estudado reflete os valores construídos pela sociedade dos cativos.

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000310636&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.