Lesões de Manguito Rotador em Atletas Amadoras de Voleibol

Por: Carolina Gonçalves Silva, Cíntia Aparecida Garcia-meneguci e .

Arquivos de Ciências do Esporte - v.7 - n.4 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: Identificar a presença de lesões de manguito rotador em atletas amadoras de voleibol e verificar a associação com a discinesia escapular e desempenho funcional. Método: Estudo transversal, realizado com atletas amadoras de voleibol do Caiçaras Cowntry Clube de Patos de Minas-MG. As variáveis analisadas foram: diagnóstico clinico de lesão de manguito rotador, discinesia escapular (Slide Lateral Scapular Test) e desempenho funcional geral e específico no esporte dos membros superiores das atletas (Disability of the Arm, Sholder and Hand - DASH). Utilizou-se o teste exato de Fisher para verificar a associação das variáveis com a presença de lesão de manguito rotador (p ≤ 0,05). Resultados: Participaram do estudo 24 atletas, do sexo feminino, média de 38,23 (dp = 11,82) anos, sendo que 20,8% das atletas apresentaram lesão de manguito rotador no ombro direito. As atletas com lesão de manguito rotador, quando comparadas com as atletas sem lesão, apresentaram discinesia escapular (p = 0,050) e menor desempenho funcional geral (p = 0,036) e específico no esporte (p = 0,003). Conclusão: A lesão de manguito rotador foi associada à discinesia escapular e menor desempenho funcional geral e específico no esporte. Esses resultados demonstram a necessidade de criação de estratégias que possam prevenir disfunções decorrentes da demanda exigida pelo voleibol.

Referências

Marques SM, Miranda ALR, Almeida CE de, Mendes FM, Bizinelli LF, Buongermino AR, et al. Lesões de Ombro em Atletas Amadores de Voleibol. UNILUS Ensino e Pesquisa. 2013;10:52–7.

Antônio V de S, Santos MAGN dos. Prevalência de lesões em atletas de voleibol feminino e possíveis relações com treinamento inadequado e estresse. Hórus. 2012;7:57-69–69.

Pires LMT, Bini IC, Fernandes WVB, Setti JAP. Lesões no ombro e sua relação com a prática do voleibol - revisão da literatura. InterSciencePlace. 2009; 2.

Souza RS, Nunes GS, Menezes FS de, Koerich MHA da L, Wageck BB. Instabilidade articular, dor e força dos músculos estabilizadores do ombro em atletas de voleibol. Saúde (Santa Maria). 2012;38:45–54.

Knaut LA, Moser ADL, Melo SDA, Richards RR. Tradução e adaptação cultural à língua portuguesa do American Shoulder and Elbow Surgeons Standardized Shoulder Assessment Form (ASES) para avaliação da função do ombro. Revista Brasileira de Reumatologia. 2010;50:176–83.

Cardozo Filho NS, Gaspar EF, Siqueira KL, Ejnisman B, Monteiro GC, Andreoli CV, et al. Perfil epidemiológico do atendimento de atletas com afecções do ombro e cotovelo no Centro de Traumatologia do Esporte, CETE, UNIFESP-EPM. RBM. Revista Brasileira de Medicina. 2010; 67.

Carvalho CD, Cohen C, Belangero PS, Figueiredo EA, Monteiro GC, Pochini A de C, et al. Lesão parcial do manguito rotador no atleta – bursal ou articular? Revista Brasileira de Ortopedia. 2015;50:416–21.

Asker M, Brooke HL, Waldén M, Tranaeus U, Johansson F, Skillgate E, et al. Risk factors for, and prevention of, shoulder injuries in overhead sports: a systematic review with best-evidence synthesis. Br J Sports Med. 2018;52:1312–9.

Mendonça LDM, Bittencourt NFN, Anjos MTS dos, Silva AA da, Fonseca ST. Isokinetic muscular assessment of the shoulder joint in athletes from the male under-19 and under-21 Brazilian volleyball teams. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2010;16:107–11.

Martinez JE, Grassi DC, Marques LG. Análise da aplicabilidade de três instrumentos de avaliação de dor em distintas unidades de atendimento: ambulatório, enfermaria e urgência. Revista Brasileira de Reumatologia. 2011;51:304–8.

Kibler WB, McMullen J. Scapular dyskinesis and its relation to shoulder pain. J Am Acad Orthop Surg. 2003;11:142–51.

Cheng, H. M. S. Disabilities of the arm, shoulder, and hand-DASH: análise da estrutura fatorial da versão adaptada para o português. [Dissertação de Mestrado- Ciências da Reabilitação] – Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, UFMG;2006.

Laurindo CF de S, Lopes AD, Mano K da S, Abdalla RJ. Lesões músculo-esqueléticas no atletismo. Rev bras ortop. 2000;35:364–8.

Fornari V, Soldà DM, Pimentel ST, Pimentel GL. Isokinetic evaluation of shoulder of a U18 female volleyball team Fisioterapia Ser.2016;11.

Silva RT da. Lesões do membro superior no esporte. Revista Brasileira de Ortopedia. 2010;45:122–31.

Soares STM. Trabalho preventivo para lesões de ombro e cintura escapular em atletas amadores de judô. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2008;11:29–34.

Soliaman RR, Azzolini FL, Leme L, Ejnisman B, Pochini A de C, Cunha RA da. A influência do treinamento na discinesia escapular em jogadoras de voleibol: um estudo prospectivo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2015;21:206–9.

Cangussu DFR, Rodrigues DCM, Reis D, Venturini C. Estudo da associação entre a dor e desempenho funcional do membro superior de jogadores de vôlei. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2008;15:15–20.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/3517

Tags: , ,

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.