Limiar de Variabilidade da Freqüência Cardíaca em Diferentes Protocolos Ergométricos

Por: Lenise Fronchetti.

2008

Send to Kindle


Resumo

A variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) diminui gradativamente durante exercício progressivo, com tendência a uma estabilização em cargas intermediárias. Inicialmente, foi demonstrada a possibilidade de identificação de um primeiro limiar desta variável (LiVFC1), assumido como demarcador da transição da retirada vagal para a predominância da atividade simpática no controle da FC. Posteriormente, foi apresentada a possibilidade de um segundo ponto de transição (LiVFC2). O objetivo deste estudo foi obter evidências adicionais de validade na determinação destes LiVFC, verificando a influência do protocolo de teste nos diversos critérios empregados. Vinte e um sujeitos saudáveis (24,8 ± 5,2 anos; 76,7 ± 11,4 kg; 178,8 + 7,8 cm) foram submetidos aleatoriamente a três testes experimentais em cicloergômetro: PA15w/1’; PB30w/1’; e PC45w/3’. Foram medidas a VFC — índice SD1 da plotagem de Poincaré — (Polar® S810i) e concentrações sangüíneas de lactato (YSI@1500 Sport). Para determinação do LiVFC1 considerou-se os métodos: 1°) LiVFCLIM — SD 1 inferior a 3 ms; 2°) LiVFCTUL — diferença entre o SD1 de dois estágios consecutivos for menor que 1 ms; e para o LiVFC2: 1°) LiVFC2LIM — subdivisão da curva de VFC em duas retas, a partir do LiVFCLIM . Os limiares de lactato foram identificados a partir dos seguintes critérios para LL1: 1°) LLINADIR - menor valor equivalente de [La]/carga; 2°) LL1FIXO - 2 mmol.1-¹; e para LL: 1°) LL2THO — carga que precede dois aumentos consecutivos, superiores ou iguais a 1 mmol.1-¹’; 2°) LL2FIXO — 4 mmol.1-¹. Na análise intra-protocolo para o primeiro limiar de transição (LT1), verificou-se que a carga referente ao método LiVFCLIM foi similar entre os protocolos; enquanto que, no LiVFCTUL os valores do PC45w/3’ foram superiores e diferentes do PA15w/1’(p≤ 0,05). Além disso, verificou-se, que tanto sob efeito da amplitude quanto da duração do estágio, os LiVFC1 acompanharam as alterações nos LL1. Para os distintos critérios de LT1, observou-se que estão em intensidades semelhantes no PA15w/ı’(r = 0,45 — 0,47; p≤ 0,05) e no PB30w/1’. Por outro lado, para o segundo limiar de transição (LT2), a carga no LiVFC2LIM apresentou valores maiores no PB30w/1’ comparada aos do PA15w/1’ (p≤ 0,05). Ao se testar a influência dos distintos protocolos, o LiVFC2 LIM variou em magnitude e direção contrária as alterações no LL2. Os diversos métodos do LT2 diferem nos três protocolos, mas apresentam moderado grau de associação (r = 0,43 a 0,72). Desse modo, pode-se concluir que a despeito das evidências de que o LiVFCLIM não é protocolo-dependente, é necessário cautela na utilização deste como variável indicadora da aptidão aeróbia devido à baixa associação aos LL1. Contudo, o LiVFC2 LIM sofre modificações com as alterações na amplitude e duração dos protocolos, no entanto, apresenta razoável poder discriminatório da aptidão aeróbia, mesmo que situado em intensidade distinta dos LL2.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.