Lutas Como Conteúdo Generificado: o Discurso de Ex-praticantes, Licenciados/as em Educação Física

Por: e Filipe Moura.

XXI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VIII CONICE - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO

Este estudo se localiza nos Estudos de Gênero na Educação Física (EF). Interpretamos o gênero como categoria relacional, que combate a naturalização das diferenças e o binarismo, buscando compreender os processos pelos quais a anatomia dos corpos é tomada como causa e explicação de desigualdades em espaços como a Educação Física escolar (EFe) (GOELLNER, 2014). Historicamente a EFe cumpriu o papel de socializar corpos masculinos e femininos nas práticas corporais, colaborando para a construção de estereótipos e preconceitos a partir da generificação de seus conteúdos. Enquanto um conteúdo generificado como masculino, pelas características como combate, tolerância à dor e competição, as lutas reproduzem relações de poder na EFe, quando meninos tendem a ser protagonistas (ALTMAMN, 2015). O ensino das lutas ainda gera desafios aos docentes, que têm mantido este conteúdo à margem da EFe por falta de vivência pregressa com lutas antes da graduação; lacunas na formação em EF; associação das lutas com a violência ou falta de infraestrutura/materiais (NASCIMENTO, ALMEIDA, 2008; FONSECA, FRANCHINI, VECHIO, 2013; LOPES, KEER 2015). Para tal, a pesquisa tem como problema responder: Como se dá a abordagem do conteúdo generificado de lutas na EFe por docentes com vivência pregressa desta prática corporal ao curso superior?

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.