Manejo da Dor Lombar Crônica Inespecífica nos Serviços de Fisioterapia do Sistema único de Saúde de Porto Alegre

Por: Marcele Bueno Desconsi.

60 páginas. 2015 15/12/2015

Send to Kindle


Resumo

A dor lombar crônica inespecífica (DLCI) é uma condição prevalente que gera custos econômicos para os indivíduos e a sociedade. Há consenso na literatura que a DLCI é multifatorial e apesar de as diretrizes clínicas recomendarem que seu manejo seja baseado na orientação de tratamento biopsicossocial, a literatura demonstra que a orientação biomédica ainda é influente entre os profissionais da saúde. Porém, no Brasil, pouco se sabe sobre a orientação de tratamento adotada pelos fisioterapeutas no manejo da DLCI, principalmente no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS) e a avaliação das atitudes e crenças desses profissionais permite uma melhor compreensão da orientação de tratamento por eles adotada em sua prática bem como seu possível impacto no manejo da DLCI. Além disso, estudos demonstram que fatores como ambiente de trabalho, educação e idade dos profissionais de saúde são capazes de influenciar as suas crenças e atitudes no manejo da DLCI e conhecê-los pode contribuir para proposição de intervenções mais pontuais junto a esses profissionais. Entretanto, a influência desses fatores ainda não foi bem estabelecida. Assim, a presente dissertação de mestrado foi composta de dois artigos. O primeiro artigo revisou sistematicamente a associação de uma orientação de tratamento no manejo de pacientes com DLCI ao perfil demográfico e profissional de fisioterapeutas. Os resultados de nossa revisão sistemática demonstram moderada evidência sobre a influência do sexo feminino sobre a adoção de uma orientação biopsicossocial e do local de trabalho privado sobre a adoção de uma orientação de tratamento biomédica entre fisioterapeutas no manejo da DLCI. Concluímos, portanto, que fatores demográficos e profissionais são capazes de influenciar a prática profissional adotada pelos fisioterapeutas. O segundo artigo descreveu atitudes e crenças dos fisioterapeutas que atuam pelo SUS em Porto Alegre no manejo de usuários com DLCI e identificou a relação entre suas características demográficas e profissionais e as orientações de tratamento da DLCI. Este estudo foi de base populacional, transversal, sendo utilizado na coleta de um questionário demográfico e profissional e o questionário Pain Attitudes and Beliefs Scale for Physiotherapists (PABS-PT). O segundo estudo contou com 49 fisioterapeutas e os resultados evidenciaram maior concordância com crenças e atitudes relacionadas à orientação biomédica, sendo a pontuação nessa escala 15,5% maior que na comportamental, e uma correlação regular e positiva entre o tempo de formação com a escala comportamental. Concluímos que, diferentemente do que propõem diretrizes internacionais sobre o manejo da DLCI, crenças e atitudes relacionadas à orientação de tratamento biomédica ainda são predominantes entre fisioterapeutas no manejo de usuários com DLCI do SUS em Porto Alegre.

Endereço: http://hdl.handle.net/10183/140083

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.