Manejo da Dor Lombar Crônica Inespecífica Por Médicos de Unidades Básicas de Saúde de Porto Alegre

Por: Patricia Thurow Bartz.

66 páginas. 2015 03/09/2015

Send to Kindle


Resumo

As atitudes e crenças sobre a dor lombar crônica inespecífica (DLCI) dos profissionais de saúde estão associadas com as de seus pacientes, assim como com os resultados do tratamento. Por sua relevância, alguns estudos já foram realizados com o intuito de identificar as atitudes e crenças ligadas à orientação de tratamento que os médicos adotam no manejo da DLCI, bem como investigar a associação entre suas características demográficas e profissionais e suas atitudes e crenças. No entanto, no Brasil encontramos apenas uma pesquisa sobre esse tema, com fisioterapeutas que atuavam em hospitais e clínicas particulares. Os objetivos desta dissertação foram: 1) revisar os documentos que abordam o manejo da DLCI localizados na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde; 2) descrever atitudes e crenças relacionadas à orientação de tratamento dos médicos de Unidades Básicas de Saúde (UBS) conveniadas a Prefeitura de Porto Alegre (PREFPOA) e identificar a associação entre suas características demográficas e profissionais e as suas atitudes e crenças relacionadas à orientação de tratamento da dor lombar crônica inespecífica. Esta dissertação foi composta por dois artigos, sendo que cada artigo inclui um dos objetivos citados. Para atingir o objetivo 1, realizamos uma revisão de documentos na língua portuguesa sobre o manejo da dor lombar publicados na Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Para atingir o objetivo 2, todos os médicos de UBS da PREFPOA foram convidados para participar do estudo. Como critérios de inclusão, foi determinado que para participar da pesquisa o médico deveria atender pelo menos um paciente com DLCI por semana e estar trabalhando na atenção básica há pelo menos seis meses. Para coleta de dados, utilizamos um questionário demográfico e profissional e o Pain Attitudes and Beliefs Scale for Physiotherapists, para avaliar as atitudes e crenças, sendo composto por duas orientações de tratamento: biomédica e comportamental. Os resultados do artigo 1 indicam que não há um documento na língua portuguesa que oriente os profissionais a utilizarem a orientação biopsicossocial no manejo de pacientes com DLCI. Os resultados do artigo 2, em que participaram do estudo 110 médicos, com idade média de 47,18(±9,52) anos, indicam uma média de 27,75(±6,89) na orientação biomédica e de 22,76(±4,44) na orientação comportamental, sendo que os médicos consideraram o papel do estresse e de questões psicossociais no manejo da DLCI, mas também relacionaram a dor à presença de lesão tecidual. Tanto na orientação biomédica quanto na comportamental as diferenças entre os grupos foram pequenas, considerando as variáveis demográficas e profissionais. Conclui-se que existe uma carência de documentos na língua portuguesa para guiar os profissionais a utilizarem a orientação biopsicossocial no manejo da DLCI, os médicos de UBS da PREFPOA apresentaram atitudes e crenças ligadas tanto à orientação biomédica quanto comportamental e nenhuma característica analisada estava associada às atitudes e crenças dos médicos.

Endereço: http://hdl.handle.net/10183/140978

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.