Manipulação na Ordem dos Exercícios e Sua Influência Sobre Número de Repetições e Percepção Subjetiva de Esforço em Mulheres Treinadas

Por: Roberto Simão e Walace David Monteiro.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.11 - n.2 - 2005

Send to Kindle


Resumo

Os exercícios resistidos (ER) são prescritos em função da combinação de diversas variáveis. Para algumas, como a ordenação dos exercícios, as evidências que fundamentam as recomendações disponíveis revelam-se insuficientes. O objetivo do estudo foi investigar a influência de diferentes ordens de execução nos ER sobre o número de repetições e percepção subjetiva de esforço (PSE) em mulheres treinadas. Compuseram a amostra 12 mulheres (22 ± 2 anos), com experiência em ER de pelo menos seis meses. Os dados foram coletados em cinco dias alternados. No primeiro, aplicou-se o questionário PAR-Q, anamnese para identificação das atividades físicas realizadas e medidas antropométricas. No segundo e terceiro dias, mediu-se a carga máxima e testou-se a reprodutibilidade dos testes de 10 repetições máximas (10RM) nos exercícios selecionados. No quarto e quinto dias executaram-se as sessões com as duas seqüências propostas (SEQA e SEB), uma começando pelos exercícios envolvendo os maiores grupamentos musculares e a outra iniciando pelos menores. Assim, na SEQA realizaram-se: supino horizonal (SH), desenvolvimento em pé (DP) e rosca tríceps no pulley (TR), enquanto na SEQB a ordem foi TR, DP e SH. Os voluntários realizaram três séries de cada exercício com cargas para 10RM e intervalos de três minutos entre as séries e exercícios. Em cada série, mediu-se o número máximo de repetições. Os resultados revelaram diferenças significativas na média de repetições em cada seqüência, para todos os exercícios, o mesmo não ocorrendo com a PSE. Nas seqüências investigadas, o exercício realizado por último sempre apresentou menor número de repetições, independentemente do grupo muscular envolvido. Em conclusão, as ordenações dos exercícios tenderam a alterar o desempenho nas duas seqüências observadas, ao menos no tocante ao volume de treinamento. Essa influência associou-se mais à posição do exercício na seqüência do que ao tamanho do grupamento muscular ou número de articulações envolvidas. Os resultados de PSE foram similares em ambas as seqüências, sugerindo que seu valor como indicador de fadiga em sessões de ER deva ser melhor analisado.

Endereço: http://www.scielo.br/pdf/rbme/v11n2/a10v11n2.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.