Marta em Notícia: a (in)visibilidade do Futebol Feminino no Brasil

Por: Soraya Barreto Januário.

FuLia - v.2 - n.1 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O presente artigo visa analisar a cobertura realizada pelos portais de notícias pernambucanos sobre a Copa do Mundo de Futebol Feminino 2015 e, especialmente, sobre a jogadora Marta. Utilizamos como aporte teórico os estudos sobre futebol à luz das teorias de Gastaldo (2005) e Helal (2003) e dos estudos de gênero como Beauvoir (1980) e Goellner (2005). A metodologia proposta foi o estudo de caso descritivo e interpretativo, por meio da análise qualitativa dos discursos e espaços ocupados pelo campeonato mediante o monitoramento da mídia. Como resultados, emergiram padrões de representação e discursos dominantes.

Referências

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU, Pierre. Sobre televisão. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2013.

BUTLER, Judith. Variações sobre sexo e gênero: Beauvoir, Witting e Foucault. In: BENHABIB, Seyla; CORNELL, Durscilla (orgs.). Feminismo como crítica da modernidade. Tradução de Nathanael da Costa Ceixeiro. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1986, p. 139-154.

CASHMORE, Ellias. Making Sense of Sports. 3rd ed., London and New York: Routledge; 2000

ELIAS, Nobert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1994.

FADUL, Anamaria; REBOUÇAS, Edgar. Por uma perspectiva metodológica para os estudos dos sistemas e grupos de mídia: o caso do Nordeste brasileiro como referência. Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro; São Paulo: INTERCOM, 2005. CD-ROM.

FOUCAULT, Michael. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GASTALDO, Edison. Uma arquibancada eletrônica: reflexões sobre futebol, mídia e sociabilidade no Brasil. Revista Antropologia Social. Paraná, vol. 6, 2005, p. 113-123.

GEERTZ, Clifford. As interpretações das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GOELLNER, Silvana. Bela, maternal e feminina: imagens da mulher na Revista Educação Physica. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HELAL, Ronaldo. Mídia e esporte – A construção de narrativas de idolatria no futebol brasileiro. In: Anais do XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Minas Gerais; São Paulo, 2003, vol. 4, p. 19-36.

JANUÁRIO, Soraya Barreto. Modos de ver: a (in)visibilidade feminina enquanto profissional do esporte. XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo; Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://goo.gl/GV4vkW. Acesso em: 10 set. 2015.

KELLNER, D. A. Cultura da mídia: estudos culturais – identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: EDUSC, 2001.

LANCENET. Grama sintética na Copa do Mundo feminina segue como alvo de críticas. Disponível em: https://goo.gl/K61PYq. Acesso em: 29 set. 2015.

LOURO, Guacira L. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 20, 1995, p. 99-108.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

OKIN, Susan. Gênero, o público e o privado. In: Revista Estudos Feministas, 2008, vol. 16, n. 2, p. 305-332.

SOUSA, Helena (org). Comunicação, economia e poder. Portugal: Porto Editora, 2006, p. 29-53.

STAKE. R. E. Case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (ed.) Handbook of qualitative research. London: Sage, 2000, p. 435-454.

WINSHIP, Janice. Inside women’s magazines. Londres: Pandora, 1987.

WITTER, João Sebastião. O que é futebol. São Paulo, Brasiliense, 1990.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 1995.

WOLF, Naomi. The beauty myth. Nova York: Harper Collins, 2009.

YIN, Robert. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. São Paulo: Bookman, 2001.

Endereço: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/11730

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.