Medidas Antropométricas Podem Discriminar a Ocorrência de Alterações Bioquímicas em Mulheres Acima de 50 Anos Praticantes de Atividade Física?

Por: Daniel Rogério Petreça, Eduardo Capeletto, Eduardo Hauser, Fabiano José Santana, e Monique da Silva Gevaerd.

Revista da Educação Física - UEM - v.27 - n.1 - 2016

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar por meio da sensibilidade e especificidade se variáveis antropométricas são discriminadoras de alterações bioquímicas de colesterol, triglicerídeos e glicemia em mulheres acima de 50 anos praticantes de atividade física. Participaram 139 mulheres com 50 anos ou mais de idade praticantes de atividade física regular. As variáveis antropométricas analisadas foram: Índice de Massa Corporal (IMC); Perímetro de Cintura (PC); Razão cintura-quadril (RCQ); razão cintura estatura (RCE); Índice de conicidade (IC) e percentual de Gordura (%G). As variáveis bioquímicas analisadas foram: Glicemia (GL); Triglicerídeos (TG) e colesterol total (CT). Foi utilizada a estatística descritiva e a curva ROC. Como resultado, IMC, PC,  RCQ, RCE e %G discriminaram GL aumentada. A RCQ discriminou TG aumentada e nenhuma variável antropométrica discriminou CT aumentada. Conclui-se que o risco aumentado de alterações bioquímicas, glicemia e triglicerídeos, podem ser discriminadas por algumas variáveis antropométricas em mulheres acima de 50 anos praticantes de atividade física. 
 

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/29645

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.