Medidas de Composição Corporal em Adultos Portadores de Síndrome de Down

Por: Gonçalo Vilhena de Mendonça.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.22 - n.3 - 2008

Send to Kindle


Resumo

Explorou-se o nível geral de acordo entre as estimativas e percentagem de massa gorda (%MG) corporal decorrentes do índice de massa corporal (IMC) e perímetro bdominal (PA), e as medições por impedância bioelétrica-espectral (IBE) realizadas em 20 omens adultos portadores de Síndrome de Down (33,5 ± 6,5 anos de idade). A IBE foi selecionada como medida de critério após os seus resultados terem sido comparados com medições por densitometria radiológica de dupla energia (DXA) realizadas em 10 indivíduos. Não se registaram diferenças ignificativas entre os valores de %MG obtidos por ambas as técnicas (p = 0,339) apresentando-se estas, ignificativamente correlacionadas (r = 0,72, p = 0,0019). Paralelamente, os valores médios de %MG stimada partir do IMC e obtida por IBE também não apresentaram diferenças significativas (22,7 ± 4,9% e 23,3 ± 4,6%; t[19] = 0,819, p = 0,219, respectivamente). Tanto o IMC como o PA se correlacionaram ignificativamente com a %MG medida por IBE (p < 0,0001). Verificou-se que o IMC se encontrava ignificativamente associado à %MG obtida por IBE (c 2 = 9,7; p = 0,002). O mesmo se constatou relativamente o PA (c 2 = 8,9; p = 0,003). Como tal, os resultados indicam que ambos, o IMC e o PA, refletem orretamente os níveis de adiposidade corporal destes indivíduos.

Endereço: http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/rbefe/v22n3/v22n3a04.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.