Megaeventos Esportivos no Brasil e o Plano Nacional de Turismo 2013-2016: as Metas de Expansão Turística

Por: Edegar Luis Tomazzoni, Fillipe Soares Romano e .

Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade - v.11 - n.2 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O Plano Nacional de Turismo [PNT] apresentou-se como documento orientador estratégico para o desenvolvimento da atividade turística no Brasil, sendo que sua versão 2013-2016 enfatizava a importância em sediar importantes esportivos megaeventos no País. O artigo analisa as propostas e metas constantes do planejamento da Copa FIFA 2014 e das Olimpíadas de Verão 2016. Como procedimentos metodológicos, optou-se pela pesquisa bibliográfica, exploratório-descritiva, utilizando para análise de dados a análise de conteúdo. O corpus de pesquisa foi constituído por documentos e informações oriundos das autoridades responsáveis pelos eventos, entre elas o Ministério do Turismo. Os resultados mostraram que (a) as três metas estabelecidas no PNT para os megaeventos não foram cumpridas; (b) que há carência de informações institucionais sobre os eventos; (c) que há falta de via de contato com os responsáveis pela sistematização de dados, em canais claramente estabelecidas. Apesar de bem-sucedidos em termos de organização, é possível concluir, entre outros, que os megaeventos esportivos não confirmaram a expectativa de que seriam a grande oportunidade de expansão dos indicadores turísticos do Brasil.

REFERÊNCIAS

ABEAR – Associação Brasileira de Empresas Aéreas (2015). Dados e fatos:  demanda por voos domésticos cresce em 2015. Link

ABEAR – Associação Brasileira de Empresas Aéreas (2015). Dados e fatos:  demanda por voos domésticos cresce em 2015. Link

ABEOC – Associação Brasileira de Empresas de Eventos (2017). Brasil cai para 15º posição no ranking ICCA de eventos internacionais. Link

Alexandre, L. M. (2003). Política de turismo e o desenvolvimento local: um binômio necessário. In: Bezerra, D. M. F. (Org.). Planejamento e gestão em Turismo. São Paulo: Roca, 3-13.

Almeida, P. R. (2009). O papel dos BRICS na economia mundial. Anais Cebri-Icone - Embaixada Britânica Brasília: Comércio e Negociações Internacionais para Jornalistas. Rio de Janeiro, 57-65. Link

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Beni, M. C. (2007). A política e desenvolvimento do turismo. In: Trigo, L. G. G. (Org.). Turismo: como aprender, como ensinar. P. 177-203. São Paulo: Senac.

Biz, A.; Santos, C.; Bettoni, E. & Thomas, G. (2016). Análise do conteúdo veiculado pelas secretarias de turismo das cidades e estados-sede da copa do mundo 2014 em suas páginas do Facebook. Pasos, 14(2), 543-559. Link

Braga, D. C. (2007). Planejamento Turístico: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

Brasil. (2009). Ministério do Turismo. Proposta Estratégica de Organização Turística Copa do Mundo 2014 – Brasil. Link

Brasil - Ministério do Turismo (2013). Plano Nacional de Turismo 2013-2016. Brasília-DF. Link

Brasil - Ministério do Turismo (2017a). Monitoramento Plano Nacional de Turismo. Link

Brasil - Ministério do Turismo (2017b). Dados e Fatos. Link

Brasil - Ministério do Turismo (2017c). Ações e Programas. Link

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (s.d.) Link

Cruz, R. (2000). Política de turismo e território. São Paulo: Contexto.

Dencker, A. (1998). Pesquisa em turismo: planejamento métodos e técnicas. São Paulo: Futura.

Goeldner, C.; Ritchie, B. & Mcintosh, R. (2002). Turismo: princípios, práticas e filosofias. Porto Alegre: Bookman.

ICCA - The International Association Meetings (2011). Country and City Rankings Report. In: International Congress and Convention Association. Amsterdam. Link

ICCA - The International Association Meetings (2015). Market 2014 - ICCA Statistic Report 2014. In: International Congress and Convention Association. Link

ICCA - The International Association Meetings (2017). Market 2016 - ICCA Statistic Report – Public Abstract. In: International Congress and Convention Association. Link  

Ernest & Young (2010). Brasil Sustentável: impactos socioeconômicos da Copa do Mundo 2014. São Paulo. Link  

Faria, R. (2007). Avaliação de programas sociais: evolução e tendências. In: Rico, E. (Org.). Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate. P. 46-67. São Paulo: Cortez.

Gastal, S. & Moesch, M. (2007). Turismo, políticas públicas e cidadania. São Paulo: Aleph.

Goeldner, C.; Ritchie, B. & McIntosh, R. (2002). Turismo: princípios, práticas e filosofias. Porto Alegre: Bookman.

IPEA - Instituto de Pesquisas Econômica Aplicada. (2012). SIMT – Sistema de Informações Integrado do Mercado de Trabalho no Setor Turismo. Brasília-DF. Link

Izidoro, A. (2014). Retrospectiva: Copa não causou caos, mas deixou herança pequena. Jornal Folha UOL. Link  

Jogos Limpos. (2017). Indicadores de Transparência. Link

Kanitz, H. G.; Trigueiro, R. P.C. & Araújo, M. A. (2010). Perspectivas do Plano Nacional de Turismo 2007-2010: avanços ou utopias? Turismo em Análise, 23(3), 644-667. Link

Leite, A. F.; Moura, E.F. & Nóbrega, W.R. (2014). Políticas Públicas e Megaeventos: uma abordagem a partir do PNT 2013/2016 na cidade de Natal-RN. Anais... X Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, Caxias do Sul. Link

Lohmann, G. & Panosso Netto, A. (2008). Teorias do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.

Lopes, A.O.; Tinoco, D. S. & Souza, L. M. (2011). Avaliação de Políticas Públicas de Turismo: uma análise bibliométrica dos periódicos de turismo. Turismo em Análise, 22(3). Link

Macrury, I. (2008). Regeneração social e Cultural. In: Rodrigues, R.P. (Org.). Legados de megaeventos esportivos. P. 153-161. Brasília: Ministério do Esporte.

Matias, K.C.O. & Costa, M.S. (2010). Políticas Públicas para a geração de empregos: considerações sobre o PROGER Turismo. Turismo Visão e Ação, 12(1),73-91. Link

Miglioli, J. (1982). Introdução ao planejamento econômico. São Paulo: Brasiliense.                                    

Noia, A. C.; Vieira Jr., A. & Kushano, E. S. (2007). Avaliação do Plano Nacional de Turismo: Gestão do governo Lula, entre os anos de 2003 a 2007. Cultur - Revista de Cultura e Turismo. 1(1), 1-16. Link

Oliveira, D.C. (2008). Análise de conteúdo temático-categorial: uma proposta de sistematização. Enfermagem UERJ, 16(4), 569-76. Link

Oliveira, R. C.; Oliveira, N. C.; Noronha, D. M. & Uvinha, R. R. (Org.) (2017). Proceedings of the BRICS Council of Exercise and Sports Science (BRICSCESS). Santos, SP: Unifesp.

Portal da Transparência (2017). Copa do Mundo 2014. Link

Rocha, J. S. & Almeida, N. P. (2008). Políticas Públicas federais de turismo: uma análise circunstancial do Plano Nacional de Turismo 2003-2007 (Brasil). Turismo & Sociedade. Curitiba, 1(2), 105-116. Link

Rodrigues, R. P. (2013). Legado para as políticas públicas brasileiras de esporte e lazer: governança interfederativa dos jogos olímpicos e paraolímpicos de 2016. In: Marcellino, N.C. (Org.). Legados de Megaeventos Esportivos.P.19-35Campinas-SP: Papirus.

Sansolo, D.G. & Cruz, R.C. (2003). Plano Nacional do Turismo: uma análise crítica. Caderno Virtual de Turismo, 3(4), 1-6. Link

Solha, K. T. (2006). Política de turismo: desenvolvimento e implementação. In: Ruschmann, D. & Solha, K.T. (Org.). Planejamento turístico. P. 89-103Barueri-SP: Manole.

Uvinha, R.R.; Oliveira, N. R.C; De Ridder, J. H; Chin, M.K. & Durstine, J.L. (2018). The BRICS Council for Exercise and Sport Science [BRICSCESS] - A new era has dawned. Journal of Sport and Health Science, 7(4), 425. Link

Veal, A. J. (2011). Metodologia de pesquisa em lazer e turismo. São Paulo: Aleph.

Vieira, J. M. (2007). Planeamento e ordenamento territorial do turismo: uma perspectiva estratégica. Lisboa: Verbo.

Endereço: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/6052?fbclid=IwAR2H89BLankQeucq6YeV4rfMvRQghCUYfC1Cp3bQBX_eSYOhLZxgAVXW1DQ

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.