Memória em Experts de Nado Sincronizado

Por: Cássia Campi, Dilmar Pinto Guedes Junior, Fabrício Madureira, Maíra Gollegã, Tácito Pessoa de Souza Júnior e Tathiane Rodrigues Martins.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

A memória é uma variável muito estudada no desempenho motor de atletas
experts (POSTAL, 2004; SCHACK & MECHSNER, 2006). Nas modalidades que
dependem da interação entre uma rotina de exercícios e a música para dois ou
mais integrantes de uma equipe, a memória passa ser um elemento fundamental
para um bom desempenho. Entretanto, pesquisadores como CHI (1978) e
ALLARD et al. (1980) têm demonstrado que a capacidade de armazenar
informação de um expert e um iniciante não são diferentes, para estruturas
sem relação com o contexto da modalidade. Este estudo teve como objetivo
analisar as respostas da memória de dois grupos distintos em níveis de habilidade
em atletas de Nado Sincronizado (NS). Dezessete atletas da Equipe Santista
de NS participaram voluntariamente do estudo. As atletas foram divididas em
dois grupos: federadas (7), com média de 15,12 (0,64) anos, que participam
dos campeonatos oficiais pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos
e não federadas (10), com média de 13,4 (2,11) anos, que participam de
competições extra-oficiais. Os testes consistiram em montar uma seqüência
composta por oito figuras de tipia Symbol e uma seqüência específica composta
por oito figuras do NS. Nos dois experimentos a quantidade de cartões era o
dobro da seqüência sugerida. Para análise do tempo foi utilizado um cronômetro
com medidas em centésimos de segundos e os erros registrados eram de 2
tipos: ordem da seqüência e figuras que não correspondiam as sugeridas. As
atletas tinham trinta segundos para decorar a seqüência e logo após esse tempo,
montá-la o mais rápido possível. Para a análise estatística dos dados foi utilizado
o teste t student para amostras não pareadas. O nível de significância das
alterações foi determinado como α ≤ 0,05.Os resultados mostraram que para
a seqüência não específica do contexto do NS não foram encontradas diferenças
estatísticas tanto no tempo da montagem como na quantidade de erros da
seqüência. Já na memória específica das figuras relacionadas ao NS, a equipe
federada conseguiu realizar a tarefa em um tempo menor que a equipe não
federada e com menos erros. Os resultados deste trabalho sugerem que a
memória relacionada ao contexto do esporte pode ser um diferencial no
desempenho de atletas que pretendem atingir um alto nível em sua modalidade.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/60_Anais_p213.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.