Mestre Patinho - o Novo no Velho Sem Molestar Raízes

Por: .
Send to Kindle


~~Acabo de voltar da rua, e minha visita semanal à Poeme-se - sebo existente no Projeto Reviver (Praia Grande) -; lá adquiri o CD de Mestre Patinho, recém lançado - e que não tive como ir... me desculpe, Mestre. Junto, o livro do Serginho e do Marco Aurélio, sobre Mestre Felipe (Tambor de Crioula)...

Pois bem, assisti ao CD!!! Num dado momento, ao ensinar os fundamentos, um breve aquecimento me vi ministrando as aulas de Atletismo ali na pista do 24 BC, observado pelo Patinho, então professor de Ginástica Olímpica, junto com Juvenal... os mesmos exercícios que utiliza para melhorar a flexibilidade e a elasticidade necessárias à Capoeiragem... Legal, isso!!!

As explicações do Mestre, dentro de uma sequencia pedagógica, tal qual Listello preconizava em seu livro, traduzido pelo Mestre Laércio...  Lembrando que Patinho se iniciara na Capoeira e fora buscado pela Ginástica pelo Dimas... as aulas àqueles jovens atletas de então, ministradas no Costa Rodrigues, buscando formar uma massa crítica para dar continuidade aos projetos do Cláudio Alemão de dotar o Maranhão de um Esporte verdadeiramente voltado para as necessidades dos jovens estudantes de então, participantes dos (Festival Esportivo da Juventude) FEJs, que se tornariam logo a seguir os (Jogos Escolares maranhense) JEMs...

A estratégia do Laércio e do Dimas - secundados pelo Marcão, Sidney, Lino, Horácio, Lopes, depois Biguá e Viché, logo após Zartu, e, embora não fizesse parte deste grupo de 'paulistas", eu venho me inserir a partir de 1976, em Imperatriz, e depois de 79, em São Luis... - era de selecionar aqueles jovens atletas que mais se destacassem em suas modalidades e os transformassem em Monitores; enquanto treinavam nas Escolinhas de Esportes que então funcionavam no Ginásio Costa Rodrigues, era-lhes passado ensinamentos sobre pedagogia do esporte, técnicas mais acuradas, táticas de jogo...

E estes jovens eram colocados em várias escolas, para formar as equipes representativas das mesmas, formando uma equipe para disputar os Jogos... Quantas modalidades funcionavam no Costa Rodrigues... as aulas iniciavam a partir das cinco da manhã e iam até por volta da meia-noite; além do Costa Rodrigues, tinha-se o Guioberto Alves, este dedicado apenas ao Futebol de Salão - ainda não era Futsal. E funcionava!!!

A Capoeira tinha a sua Escolinha, também, e o Professor era o Anselmo Barnabé... não sabe quem é o Professor Anselmo? foi o grande professor do Patinho: Mestre Sapo!!! - e Patinho, além da Ginástica Olimpica, se iniciava como Monitor de Capoeira - tornando-se a partir desses ensinamentos um Mestre e hoje uma referencia na Capoeiragem brasileira...

" O verdadeiro Mestre aprende com seus discípulos, com seus alunos, a cada aula..." sábias palavras!!!

O subtítulo de seu CD - 'o novo no velho sem molestar raízes" bem traduz esses quase 40 anos que conheço Patinho; muito do que traz em seu novo trabalho - didático!!! - já estava em uma entrevista que me concedeu alguns anos, para alimentar a monografia de graduação de minha filha. É o que transcrevo a seguir, e indicando o seu CD - é obrigatório - para TODO professor/mestre - e não só da Capoeiragem - como se transmite CONHECIMENTO:

"CONVERSANDO COM MESTRE PATINHO"

Conversando com Antônio José da Conceição Ramos, o MESTRE PATINHO[1]

Jornal do Capoeira - http://www.capoeira.jex.com.br/ Edição 63 - de 05 a 11/Mar de 2006

No dia 26 de fevereiro de 2006 estivemos - Loreta e eu - na casa de Mestre Patinho, em plena Madre Deus. Entrevista marcada para as 09:00 horas de la mañana, de um domingo de carnaval! Patinho também: estava chegando da folia. Para quem conhece São Luís do Maranhão, a Madre-Deus (Bairro) e Carnaval de São Luís, sabe o que isso significa. Realmente um grande "sacrifício" do Mestre.

Loreta, minha filha, está se formando em Economia, pela UFMA; como já anunciado, sua monografia de graduação versará sobre Economia e Capoeira: a capoeira como formadora de renda; seu impacto na economia ludovicense (Anexo III). Seu orientador, Felipe de Holanda, ainda não se decidiu se é Capoeira ou se é Economista, ou vice-versa... É aluno de Patinho...

Da mui proveitosa entrevista com Mestre Patinho (foto 1), capturamos o seguinte:

-    Capoeira é um jogo corporal, é um diálogo - a rasteira é um choque, é preciso um corpo rítmico para ser bem dada;

-     Capoeira é fundamento, três alturas, três distancias, três ritmos...

-    Capoeiragem: jogo estratégico para a guerra - é um jogo de xadrez;

-     Quando conheci a Capoeira (anos 60), não era profissão, não havia possibilidade de viver da capoeira; aprendi a capoeira do Rio de Janeiro, com Jessé Lobão, aluno de Djalma Bandeira, e com Sapo, meu Mestre...

-      Bimba não criou um estilo, ele criou um método: para se afirmar na "chamada de Angola" para disfarçar o jogo estratégico - passa-dois, balão cinturado - malícia, jogo de malícia, jogo de transformação, jogo de cintura: oitiva, rústica...

-      Hoje, a Capoeira é uma mesmice, se transformou em uma ginástica coreografada - vi um aulão, com mais de 500 alunos, todos repetindo o movimento... Lembra àquelas aulas de calistenia, aquelas apresentações de ginástica, de antigamente? As aulas de educação física do Exército? Isso não é Capoeira ...

-     A Angola... É autodefesa, busca do diálogo corporal, é transformação, jogo de dentro, você encontra a sua altura, o seu jogo, sua dimensão; é diferente da capoeira do pós-modernismo; capoeira é matemática; é história; é geografia... Tem que estar em contato, é comunhão, todo dia...

-     No jogo estratégico, não pode baixar a guarda; deve-se respeitar o oponente; mesmo que o adversário não saiba jogar, o bom Capoeirista joga mesmo com quem não sabe, e o faz jogar, gingar...

-     Maçonaria x Capoeira - 0 a 9, infinita forma.

-     Não existe uma capoeira, Angola, Regional, cada jogador tem a "sua Capoeira”...

-     A Capoeira é uma arte-cultura esportiva que mais representa este País ...

-    O Capoeira não procura emprego - procura trabalho, realiza um trabalho...

-     Não consigo sobreviver da Capoeira, sou um artista de rua, sou um mestre, hoje me aceito como mestre, pois estudo os ritmos maranhenses - são 37 ... - o boi, o teatro, a ginástica, a educação física, a lateralidade, a psicomotricidade, a música; para ser mestre da capoeira, tem que ser um Doutor...

-    Diálogo da Trilogia:

§         Angola - gunga

§         São Bento Pequeno - viola

§         São Bento Grande - violinha

São células na mesma cadência que preenchem o espaço melódico - pulsação;

A roda tem regência...

O Traíra (Mestre), no local de Angola, fazia Santa Maria; quando chega em São Bento grande, fazia cavalaria ...

-     A teoria não vale nada, se não inserida na prática...

-     A grande dificuldade é a música, a musicalidade da capoeira; muitos me criticam por ensinar música, teoria musical, para se cantar as ladainhas, as chamadas... Mas é preciso, é necessário entender os toques, saber quando e como entrar, os tons, a harmonia; assim como o texto, saber o que esta cantando, não apenas repetir um som... É necessário entender a letra, o que canta, é preciso ter conhecimento...

-     Capoeira, hoje, é arte de negro, esporte de branco...

Capoeiristicamente,

Leopoldo Vaz, São Luis - Carnaval Maranhense de 2006

Professor de Educação Física

Mestre em Ciência da Informação

[1] São corresponsáveis por este artigo: Loreta Brito Vaz - UFMA, Acadêmica de Economia, Capoeira Angola; Felipe de Holanda - UFMA, Professor de Economia, Capoeira Angola (Orientador)

http://www.blogsoestado.com/leopoldovaz/2014/01/17/mestre-patinho-o-novo-no-velho-sem-molestar-raizes/

Comentários


:-)





© 1996-2017 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.