Metacognição e Hemisferidade em Jovens Atletas: Direcionamento Para Uma Pedagogia de Ensino Desportivo

Por: Fabiana Albino de Oliveira, Fernanda Barroso Beltrão e Vernon Furtado da Silva.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.17 - n.1 - 2003

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo investigou a possível relação entre níveis de metacognição e a preferência de processamento hemisférico em relação ao uso de tática por jogadores experientes no jogo de voleibol e futebol. Após a identificação da preferência hemisférica de processamento destes indivíduos, os mesmos foram distribuídos em três grupos hemisféricos distintos, ou seja, bi-hemisféricos (BH), hemisféricos direito (HD) e hemisféricos esquerdos (HE). Estes grupos foram então testados em termos de conhecimento metacognitivo no uso de táticas específicas à respectiva modalidade. Os escores dos grupos hemisféricos, advindos deste teste, foram analisados através de estatística não-paramétrica (Kruskal Wallis Test), com o teste Chi quadrado embutido. Os resultados revelaram uma significativa superioridade dos indivíduos bihemisféricos sobre os mono-hesmiféricos com um Chi2 geral de 13,303, 2 graus de liberdade, p < 0,001. Uma verificação por modalidade de jogo também revelou a mesma tendência de superioridade dos bi-hemisféricos sobre os mono-hemisféricos, com Chi2 7,178, 1 grau de liberdade, p < 0,007 relativamente a modalidade voleibol e Chi2 6,822, 1 grau de liberdade, p < 0,009 na modalidade futebol. Estes resultados foram discutidos como fornecendo importantes conhecimentos para a formação de metodologias pedagógicas aplicáveis ao ensino desportivo.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/v17%20n1%20artigo1.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.