Métodos e Fontes na História da Educação e Educação Física

Por: Eliane Marta Teixeira Lopes.

IV Encontro Nacional de História do Esporte, Lazer e Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

Abrir um descortinio para o arcano

A disposição para se fazer história, ou para se ler o mundo como um dispositivo historiador, parte, antes de mais. de uma disposição radical para ler, ver, ouvir e contar ... o outro. Mesmo que tenhamos de nos haver com o nosso medo de enfrentar aqueles e aquelas que, em algum momento, se tornam fantasmas, de nós mesmos ou da sociedade; mesmo que tenhamos medo de pensar esse outro no tempo de nosso próprio pensamento1. O tempo do nosso pensamento é o tempo da historiografia, da escrita da história, o que, inevitavelmente, remete-nos à formidável simplicidade da grande dificuldade explicitada por Michel de Certeau: se é história e se e escrita, que aliança é esta? Como articular o real e o discurso ? Antes de pensar na problemática da escritura [mesmo sabendo que a história só se faz no momento mesmo da escrita], estabeleçamos que ler, ver e ouvir são - metodologicamente - gestos preliminares (mesmo que amparados em teoria) que nos permitirão constituir as fontes, a partir das quais construiremos o discurso

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.