Modulação Autonômica Cardíaca: Influência da Aptidão Aeróbia, Nível de Atividade Física e Idade

Por: Tatyana de Oliveira Dagosto.

82 páginas. 2010 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

O sistema nervoso autônomo (SNA) modula a freqüência cardíaca (FC) em situações de repouso e dinâmicas. Em repouso a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) é uma ferramenta não invasiva para avaliação do SNA. Em situação dinâmica, a transição repouso – exercício (Ton) e testes provocativos como manobra postural ativa (MPA) são capazes de modificar a atuação do SNA, possibilitando a avaliação da capacidade de adaptação do sistema. Fatores como aptidão aeróbia, nível de atividade física (NAF) e a idade podem influenciar diretamente a modulação autonômica cardíaca de repouso. Entretanto, em situações dinâmicas a influência desses fatores é pouco conhecida e contraditória. O objetivo do estudo foi identificar as associações da aptidão aeróbia, NAF e idade na modulação autonômica cardíaca em condições de repouso, no Ton e na postura ortostática após a MPA. No primeiro estudo, analisou-se a relação entre aptidão aeróbia e modulação autonômica cardíaca em 28 indivíduos jovens, com controle do NAF. Analisaram-se a FC e VFC na condição de repouso e, para análise do Ton, foram calculado índices de amplitude, delta de FC e RMSSD em janelas de 15 s. Não houve relação entre aptidão aeróbia e VFC em repouso (SDNN r = -0,22, pNN50 r= -0,25, HF log (ms2 ) r= -0,31; p>0,05). No Ton, foi observado que o grupo com maior nível de aptidão aeróbia apresentou maior amplitude (61,5 ± 14,6 bpm no grupo VO2 alto e 46,2 ± 11,8 bpm no grupo VO2 baixo; p<0,05) e delta de FC 60s (47,2 ± 11,7 bpm no grupo VO2 alto e 36,4± 12,2 bpm no grupo VO2 baixo; p<0,05). O segundo estudo avaliou a relação entre o NAF e modulação autonômica cardíaca em 26 homens jovens, com controle da aptidão aeróbia e NAF diferentes mensurado pelo escore bruto esportivo de Baecke. Analisaram-se a FC e VFC na condição repouso e, para análise do Ton, foram calculados índices de amplitude, delta de FC e RMSSD em janelas de 15 s. Não houve relação entre NAF e VFC em repouso (SDNN r = -0,32, pNN50 r= -0,26, HF log(ms2 ) r= -0,37; p>0,05) e no Ton (Aon r= -0,04, D60s r= -0,34; p>0,05). O terceiro estudo analisou a influência da idade na MPA em 20 homens, divididos em dois grupos, sendo Grupo EV: indivíduos acima de 50 anos (n=10), Grupo JV: jovens (n=10). A VFC foi mensurada na posição supina (20 min) e após a MPA, sendo 6 analisados os últimos 5 minutos. Calculou-se VFC por meio de índices lineares e por índices não lineares de entropia. Grupo EV apresentou redução da VFC em repouso e menor capacidade de adaptação à MPA (RMMSD: 62,8 ± 20,7 ms para 33,8 ± 8,3 ms no JV após MPA e 18,1 ± 12,7 para 14,4±13,7 ms no EV após MPA; HF log (ms2 ): 7,2 ± 0,8 para 5,9 ± 0,7 ms2 no JV após MPA e 4,7 ± 1,1 para 3,6 ± 1,3 ms2 no EV após MPA; p<0,05). O grupo EV não apresentou modificação significativa dos índices lineares como mecanismos de adaptação à MPA, sendo que a redução da entropia pode ser uma explicação para elevação da FC com MPA (correlação entre delta FC e delta entropia ApEn r= -0,48 e SampEn r=-0,65, p<0,05). Podemos perceber que aptidão aeróbia e nível de atividade física não influenciam a modulação autonômica cardíaca em repouso em indivíduos jovens com características homogêneas. Com relação a situações dinâmicas, somente a aptidão aeróbia foi capaz de influenciar o Ton. A idade influência a resposta do SNA tanto no repouso quando após MPA, com mecanismos fisiológicos distintos para adaptação da postura ortostática. Além disso, índices não lineares forneceram informações adicionais da capacidade de adaptação do SNA com envelhecimento na MPA. 

Endereço: http://www.ufjf.br/pgedufisica/alunos/turma-2009/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.