Morbidade Hospitalar Por Ingestão de Esteroides Anabólico-androgênicos (eaa) no Brasil

Por: .

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.19 - n.2 - 2013

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO: Os esteroides anabólico-androgênicos (EAA) são hormônios sexuais masculinos, promotores e mantenedores das características sexuais associadas à masculinidade e do status anabólico dos tecidos somáticos. Os efeitos físicos e mentais do uso abusivo de EAA são raros e é praticamente impossível afirmar com certeza quais os efeitos adversos que poderão tornar-se evidentes após a autoadministração, mas os mesmos constituem risco de morte para os indivíduos. 
OBJETIVO: O objetivo do presente estudo foi descrever as principais características da morbidade por ingestão de EAA no Brasil, no período de 2000/2010. 
MÉTODOS: As informações sobre as internações hospitalares foram obtidas dos bancos de dados informatizados do Ministério da Saúde. Na análise da ingestão de EAA como diagnóstico principal e secundário de hospitalização, partiu-se das causas de internação sob os códigos E28.1 (excesso de andrógenos), E34.5 (síndrome de resistência a andrógenos), T38.7 (intoxicação por andrógenos e anabolizantes congêneres) e Y42.7 (efeitos adversos de andrógenos e anabolizantes congêneres) do CID-10. 
RESULTADOS: As hospitalizações por EAA foram responsáveis por 0,001% do total de internações do País. Foram contabilizadas 1.319 internações (média = 119,9, DP = 99,01). A síndrome de resistência a andrógenos foi a principal causa, correspondendo a 55,8% do total de internações. Do total de internações, 1% dos pacientes evoluiu para óbito e o tempo máximo de permanência foi de 47 dias (média = 3,8 e DP = 4,7). Minas Gerais, Maranhão e Espírito Santo possuíram as maiores taxas de internações por 1.000.000 de habitantes, nos anos de 2002 a 2007. As mulheres e a faixa etária de 15-29 tiveram maiores taxas, 82,5% e 37,7%, respectivamente. 
CONCLUSÃO: Os resultados do presente estudo mostraram uma hospitalização por ingestão de EAA relativamente baixa, as mulheres e indivíduos na faixa etária de 15-29 anos possuíram as maiores taxas no período estudado.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922013000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.