Morfologia e Prestação Desportiva em Crianças dos 10 Aos 13 Anos com Diferentes Níveis de Desempenho Motor

Por: F. Vieira, Isabel Fragoso e L. da Silva.

VII Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

As características físicas associadas ao rendimento motor e ao sucesso desportivo têm suscitado ao longo dos tempos, o interesse em diversas áreas da actividade humana. Neste âmbito, variáveis como a estatura elevada e a robustez física têm sido apresentadas como factores que se associam a níveis superiores de rendimento motor. Com este trabalho pretendemos verificar se a associação entre as características morfológicas e as variáveis de desempenho motor é idêntica para qualquer nível de desempenho. Avaliámos um total 129 crianças, do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 10 e os 13 anos de idade. As crianças foram subdivididas em dois grupos de desempenho motor: com sucesso e com insucesso. As medidas antropométricas foram obtidas segundo Lohman et ai. (1988), o somatótipo pelo método de Heath-Carter (1971) e as provas de desempenho motor (lançamento de distância-LD, lançamento de precisão- LP, velocidade-VEL, força-FOR, flexibilidade-FLEX e equilíbrio-EQ) foram as referidas por Neto (1987). Os resultados de R2 Ajustado apresentados em cada prova motora pelo grupo de insucesso (55% LD, 99% VEL, 41% LP, 57% FOR, 22% FLEX, 58% EQ) e pelo grupo de sucesso (25.5% LD, 90% VEL, 11% LP, 93% FOR, 78% FLEX, 34.7% EQ) permitem-nos concluir ser mais fácil prever o insucesso do que o sucesso motor. Podemos ainda concluir que as características morfológicas que mais influenciam o desempenho motor são específicas para cada prova e nível de desempenho, à excepção dos lançamentos de distância e precisão no grupo de insucesso.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.