Motivação em Atletas Universitárias de Futsal no Rio de Janeiro

Por: Acsa Rosa de Moura Araújo, Aldair J Oliveira, Ellen Aniszewski, Fabiane Frota da Rocha Morgado, Fabrízio Di Masi, José Henrique, Lívia Soares da Silva e Sidnei Jorge Fonseca Junior.

Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército - v.86 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Introdução: Ao longo dos anos, observa-se um crescimento do número de mulheres participantes nos campeonatos de futsal no âmbito universitário. Entretanto, a literatura científica acerca da motivação neste grupo é escassa.

Objetivo: Investigar a motivação para a prática do futsal competitivo universitário entre as mulheres atletas da modalidade.

Métodos: Estudo transversal descritivo no qual foram avaliadas 41 atletas universitárias de futsal feminino do Estado do Rio de Janeiro, filiadas à Federação de Esporte Universitário do Rio de Janeiro no ano de 2015. Os fatores motivacionais foram avaliados utilizando-se a Escala de Motivos para a Prática Esportiva (EMPE), baseada na Teoria da Avaliação Cognitiva, que classifica os resultados em estratos de importância para o indivíduo: 0,00-0,99: nada importante; 1,00-3,99: pouco importante; 4,00-6,99: importantes; 7,00-9,99: muito importantes e 10,00: totalmente importantes. A análise estatística dos dados foi do tipo descritiva feita através da média, mediana e desvio padrão.

Resultados: As dimensões “Condicionamento Físico” (7,67±2,12), “Liberação de Energia” (7,49±1,51), “Afiliação” (7,65±1,54), “Aperfeiçoamento Técnico” (8,24±1,64) e “Saúde” (8,05±2,06) foram consideradas muito importantes para as participantes do estudo. As dimensões que mostraram valores mais baixos foram “Status” (6,69±1,96) e “Contexto” (6,18±1,91), classificadas como importantes para as atletas.

Conclusão: Todas as dimensões da motivação foram importantes ou muito importantes para as praticantes de futsal. Novos estudos devem ser conduzidos com objetivo de aprofundar os achados da presente abordagem.

Motivation in University Futsal Female Athletes in Rio de Janeiro

Introduction: Over the years, the number of women participating in futsal championships at university level has increased. However, scientific literature on motivation in this group is scarce.

Objective: To investigate the motivation to practice competitive futsal among female athletes of this sport.

Methods: A descriptive cross-sectional study was carried out. Forty one female athletes from the state of Rio de Janeiro, affiliated to the Federation of University Sports of Rio de Janeiro in the year 2015 participated in the study. The motivational factors were evaluated using the Motivational Scale for Sports Practice (EMPE), based on the Cognitive Evaluation Theory, which classifies the results into strata of importance for the individual: 0.00-0.99: not important; 1.00-3.99: not important; 4.00-6.99: important; 7.00-9.99: very important and 10.00: totally important. The statistical analysis of the data was of the descriptive type made through the mean, median and standard deviation.

Results: “Physical Conditioning”(7.67±2.12), “Energy” (7.49±1.51), “Affiliation” (7.65±1.54), “Technical Improvement” (8.24±1.64) and “Health” (8,05±2.06) dimensions were considered very important for the participants of the study. The dimensions that showed lower values were “Status” (6.69±1.96) and “Context” (6.18±1.91), evaluated as important for those athletes.

Conclusion: All dimensions of motivation were important or very important for the futsal female practitioners. Further studies should be conducted with the objective of deepening the findings of this approach.


 

Referências

Voser RC. Iniciação ao futsal, abordagem recreativa. 3.ed. Canoas, Brasil: Editora da ULBRA; 2004.

Salles JGC, Moura HB. Futsal. In: Dacosta, LP. Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF; 2006. P.343-344.

Confederação Brasileira de Futebol de Salão. O esporte da bola pesada que virou uma paixão. [acesso em 15 out 2015]. Disponível em: http://www.cbfs.com.br/2015/futsal/origem/index.html

Voser RC, Hernandez JAE, Ortiz LFR, Voser PEG. A motivação para a prática do futsal: comparação entre atletas federados do sexo masculino e feminino. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. 2014;6(21):196-201.

Folle A, Teixeira FA. Motivação de escolares das séries finais do Ensino Fundamental nas aulas de Educação Física. Revista de Educação Física/UEM. 2012; 23(1): 37-44.

Deci EL, Ryan RM. Self-determination theory: A macrotheory of human motivation, development, and health. Canadian Psychology / Psychologie Canadienne. 2008;49(3):182.

Holt NL, Mandigo JL. How Cognitive Evaluation Theory can help us motivate children in physical activity environments. The Journal of Physical Education, Recreation & Dance. 2000;7(1):44-49.

Clancy RB, Herring MP, Campbell MJ. Motivation Measures in Sport: A Critical Review and Bibliometric Analysis. Frontiers in Psychology. 2017;8:348. doi: 10.3389/fpsyg.2017.00348. eCollection 2017.

Wallhead TL, Garn AC, Vidoni C. Effect of a sport education program on motivation for physical education and leisure-time physical activity. Research Quarterly for Exercise and Sport. 2014;85(4):478-87. doi: 10.1080/02701367.2014.961051.

Carpentier J, Mageau GA.Predicting Sport Experience During Training: The Role of Change-Oriented Feedback in Athletes' Motivation, Self-Confidence and Needs Satisfaction Fluctuations. Journal of Sport and Exercise Psychology. 2016; 38(1):45-58. doi: 10.1123/jsep.2015-0210.

Chan DK, Dimmock JA, Donovan RJ, Hardcastle S, Lentillon-Kaestner V, Hagger MS. Self-determined motivation in sport predicts anti-doping motivation and intention: a perspective from the trans-contextual model. Journal of Science and Medicine in Sport. 2015;18(3):315-322. doi: 10.1016/j.jsams.2014.04.001.

Chamorro JL, Torregrosa M, Sánchez Oliva D, García Calvo T, León B. Future Achievements, Passion and Motivation in the Transition from Junior-to-Senior Sport in Spanish Young Elite Soccer Players. The Spanish Journal of Psychology. [Online] 2016;19:E69. Available from: doi: 10.1017/sjp.2016.71

Forsman H, Gråstén A, Blomqvist M, Davids K, Liukkonen J, Konttinen N. Development of perceived competence, tactical skills, motivation, technical skills, and speed and agility in young soccer players. Journal of Sports Sciences. 2016;34(14):1311-8. doi: 10.1080/02640414.2015.1127401.

Barroso M, Araújo AGS, van Keulen GE, Braga RK, Krebs RJ. Motivos de prática de esportes coletivos universitários em Santa Catarina. In: Anais do 6º Fórum Internacional de Esportes, 2007; Florianópolis. Santa Catarina: P. 1-8.

Reis LFCM, Scotá TCC. Aspectos motivacionais no futsal feminino amador de Porto Alegre. Semana Acadêm. Rev. Cient.[internet]. 10/07/2013[acesso em 03/02/2017]. Disponível em: http://semanaacademica.org.br/artigo/aspectos-motivacionais-no-futsal-feminino-amador-de-porto-alegre

Barroso MLC. Validação do Participation Motivation Questionnaire adaptado para determinar motivos de prática esportiva de adultos jovens brasileiros [dissertação de mestrado]. Florianópolis: Universidade do Estado de Santa Catarina; 2007.

De Paula AD, Machinski P. Futsal masculino e feminino: a comparação motivacional no município de Rebouças-PR. Cinergis. 2010;11(1):1-10. doi: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v11i1.1116

De Paula AD. Os fatores motivacionais no futsal feminino no município de Rebouças-PR. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. 2012;4(14):268-274.

Braghirolli EM, Bisi GP, Rizzon LA, Nicoletto U. Psicologia Geral. 22ª ed. Porto Alegre, Brasil: Vozes; 2002.

Winterstein PJ. A motivação para a atividade física e para o esporte. In: De Rose Júnior, D. Esporte e atividade física na infância e na adolescência. Uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre, Brasil: Artmed; 2002. P. 77-87.

Paim MCC. Fatores motivacionais e desempenho no futebol. Revista da Educação Física/UEM, 2001;12(2):73-79.

Toledo PS, Rocha CCM, Pereira DA. A motivação para a prática da educação física no ensino médio. Coleção Pesquisa em Educação Física. 2014;13(4):107-114.

Samulski, D. Psicologia do esporte: um manual para a educação física, fisioterapia e psicologia. 1.ed. São Paulo, Brasil: Manole; 2002.

Endereço: http://177.38.96.106/index.php/revista/article/view/227

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.