Motivos de Não Adesão Ao Exercício Físico em Docentes da Educação Básica: Um Estudo Seccional Qualitativo

Por: , Simone Maria Castellano e Thais Reis Silva de Paulo.

Revista de Educação Física - Centro de Capacitação Física do Exército - v.87 - n.4 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O ritmo acelerado de vida dos professores em seu ambiente de trabalho, associado às múltiplas funções desempenhadas, conferem a essa categoria um elevado nível de esforço, sendo considerada uma das profissões com maior vulnerabilidade a problemas de saúde.

Objetivo: Avaliar os motivos de não adesão à prática habitual de atividade física (PHAF) em professores da Educação Básica.

Métodos: Estudo seccional, de abordagem qualitativa, com amostragem por conveniência composta por 193 docentes da cidade de Uberaba-MG. Foi desenvolvido um questionário estruturado para o estudo, constituído por perguntas sobre características sociodemográficas, de saúde e quanto aos motivos da não adesão à PHAF.

Resultados: Todos os professores trabalhavam em duas escolas e ministravam, em média, 34 aulas por semana. O principal motivo para a não adesão à PHAF apontado foi a falta de tempo (78,2%), seguido de cansaço (8,8%), falta de ânimo (4,6%), dinheiro (3,6%), comodismo (2,0%), preguiça (1,5%) e falta de hábito (1,0%).

Conclusão: A falta de tempo e os fatores secundários estão intimamente interligados e podem estar vinculados ao estresse relacionado à atividade docente afetando a motivação em praticar exercícios. Sugere-se que sejam realizados estudos longitudinais para que seja possível inferir causalidade quanto à associação de hábitos e comportamentos ativos dos professores com a falta de aderência à PHAF.

Reasons for non-Adherence to Physical Exercise in Teachers of Basic Education: A Qualitative Sectional Study

Introduction: The school work environment imposes on Brazilian teachers an accelerated pace of life, which combined with the multiple functions performed lead to high levels of effort. Therefore, that profession is considered one of the most vulnerable to health problems.

Objective: To evaluate the reasons for not adhering to the habitual physical activity (HPA) in Basic Education teachers.

Methods: A sectional study, with a qualitative approach, with convenience sampling composed of 193 basic education teachers from the city of Uberaba-MG. A structured questionnaire was developed for the study, consisting of questions about socio-demographic characteristics, health, and reasons for non-adherence to PHAF.

Results: All teachers worked in two schools and taught, on average, 34 classes per week. The main reason for not adhering to the PHAF was lack of time (78.2%), followed by fatigue (8.8%), lack of mood (4.6%), money (3.6%), (2.0%), laziness (1.5%) and lack of habit (1.0%).

Conclusion: Lack of time and secondary factors are closely intertwined and may be linked to stress related to teacher activity affecting motivation in exercising. It is suggested that longitudinal studies be performed in order to infer causality regarding the association of teachers' active habits and behaviors with the lack of adherence to PHAF.

Assunção AÁ, Oliveira DA. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade. [Online] 2009;30(107): 349–372. Available from: doi:10.1590/S0101-73302009000200003

Gasparini SM, Barreto SM, Assunção AÁ. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa. [Online] 2005;31(2): 189–199. Available from: doi:10.1590/S1517-97022005000200003

Souza KR de, Santos MBM dos, Pina JA, Maria ABV, Carmo MAT, Jensen M. A trajetória do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) na luta pela saúde no trabalho. Ciência & Saúde Coletiva. [Online] 2003;8(4): 1057–1068. Available from: doi:10.1590/S1413-81232003000400027

Silva JVP da, Nunez PRM. Qualidade de vida, perfil demográfico e profissional de professores de educação física. Pensar a Prática. [Online] 2009;12(2): 1–11. Available from: doi:10.5216/rpp.v12i2.3795

Gomes L. Trabalho multifacetado de professores/as: a saúde entre limites.

Pizzio A, Klein K. Qualidade de vida no trabalho e adoecimento no cotidiano de docentes do Ensino Superior. Educação & Sociedade. [Online] 2015;36(131): 493–513. Available from: doi:10.1590/ES0101-73302015124201

Simões KL, Rocha HS, Fernandes CAM, Levandoski G. Prevalência de sedentarismo em professores de educação física: um estudo comparativo entre professores dos estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. [Online] 2012;11(2). Available from: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/3088 [Accessed: 14th December 2018]

Macedo C de SG, Garavello JJ, Oku EC, Miyagusuku FH, Agnoll PD, Nocetti PM. Benefícios do exercício físico para a qualidade de vida. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. [Online] 2003;8(2): 19–27. Available from: doi:10.12820/rbafs.v.8n2p19-27

Pozena R, Cunha NF da S. Projeto ‘construindo um futuro saudável através da prática da atividade física diária’. Saúde e Sociedade. 2009;18: 52–56.

Weinberg RS, Gould D. Fundamentos da Psicologia do Esporte e do Exercício - 6ed. Porto Alegre: Artmed Editora; 2016. 622 p.

Saba F. Aderência. São Paulo: Editora Manole Ltda; 2001. 144 p.

Telles TCB, Araruna LC, Almeida MS, Melo AK. Adesão e aderência ao exercício: um estudo bibliográfico. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte. [Online] 2016;6(1). Available from: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBPE/article/view/6725 [Accessed: 14th December 2018]

Lee I-M, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet (London, England). [Online] 2012;380(9838): 219–229. Available from: doi:10.1016/S0140-6736(12)61031-9

Brito WF, Santos CL dos, Marcolongo A do A, Campos MD, Bocalini DS, Antonio EL, et al. Physical activity levels in public school teachers. Revista de Saúde Pública. [Online] 2012;46(1): 104–109. Available from: doi:10.1590/S0034-89102012000100013

Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, Braggion G. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2002;10(4): 41–50.

Castro MS, Silva NL, Monteiro W, Palma A, Resende HG. Motivos de permanência dos praticantes nos programas de exercícios físicos oferecidos pelo Serviço Social do Comércio − Brasil. Motricidade. 2010;6(4): 23–33.

Cardoso AS, Borges LJ, Mazo GZ, Benedetti TB, Kuhnen AP. Fatores Influentes na Desistência de Idosos em um Programa de Exercício Físico. Movimento (ESEFID/UFRGS). [Online] 2008;14(1): 225–239. Available from: doi:10.22456/1982-8918.2303

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2017: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2018. 297 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2017_vigilancia_fatores_riscos.pdf

Kouvonen A, Vahtera J, Oksanen T, Pentti J, Väänänen AKP, Heponiemi T, et al. Chronic workplace stress and insufficient physical activity: a cohort study. Occupational and Environmental Medicine. [Online] 2013;70(1): 3–8. Available from: doi:10.1136/oemed-2012-100808

Araújo TM de, Carvalho FM. Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educação & Sociedade. [Online] 2009;30(107): 427–449. Available from: doi:10.1590/S0101-73302009000200007

Barros ME, Zorzal DC, Almeida FS de, Iglesias RZ, Abreu VGV de. Saúde e trabalho docente: a escola como produtora de novas formas de vida. Trabalho, Educação e Saúde. [Online] 2007;5(1): 103–124. Available from: doi:10.1590/S1981-77462007000100005

Silva L, Baia F, Romanholo RA, Soares WN. Nível de sedentarismo em professores do ensino regular da rede pública do município de Cacoal-RO. RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2015;9(52): 166-174–174.

Moreira SN. Checkout na academia: razões e possibilidades. [dissertação]. Uberaba: Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Programa de Pós-Graduação em Educação Física. 2014.

Spirduso WW. Dimensões físicas do envelhecimento. Barueri, SP: Editora Manole Ltda; 2005. 500 p.

Klain I, Rombaldi AJ, Matos D, Leitão JC, Cid L, Moutão JM. Adesão e desistência de programas de treino personalizado. Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercicio y el Deporte. 2016;11(1): 15–21.

Mazo GZ. Atividade física e qualidade de vida de mulheres idosas. [tese]. Porto: Universidade do Porto. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. 2003.

Vedovato TG, Monteiro MI. Socio-demographic profile and health and working conditions of teachers of nine state of são paulo public schools. Revista da Escola de Enfermagem da USP. [Online] 2008;42(2): 291–297. Available from: doi:10.1590/S0080-62342008000200012

Silvany Neto AMS, Araújo TM, Dutra FRD, Azi GR, Alves RL, Kavalkievicz C et al. Condições de trabalho e saúde de professores da rede particular de ensino de Salvador, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública. 2000;24(1/2): 42–56.

Endereço: http://177.38.96.106/index.php/revista/article/view/801

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.