Motivos Referidos Para o Abandono de Programas de Exercício Físico Ofertados Por Academias Privadas de Presidente Prudente, São Paulo

Por: e Michele Juliana Laurenzano.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.1 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo

O objetivo desse trabalho foi verificar os motivos referidos para a desistência em sujeitos que abandonaram programas de exercício físico em academias de Presidente Prudente- SP. Foram avaliados os motivos mencionados para o abandono nos sujeitos investigados e as diferenças nos fatores mencionados para o abandono de homens e mulheres. A amostra foi formada por 132 sujeitos (12 a 51 anos), sendo 75 mulheres e 57 homens. A pesquisa foi realizada de fevereiro a abril de 2010. Os dados foram coletados através de entrevistas realizadas por telefone e analisados utilizando-se elementos da estatística descritiva e o teste do qui-quadrado, com p<0,05. A maior parte dos investigados tinha menos que 30 anos de idade (82,6%), e apresentava no mínimo ensino médio completo (87,3%). De modo geral o motivo mais mencionado para o abandono foi a falta de tempo (38,6%), seguido por desanimo (9,8%), demora nos resultados (8,3%), falta de companhia (8,3%) e cansaço (8,3%). Quando estratificado por gênero, observou-se que a falta de tempo foi o motivo mais mencionado tanto por homens, quanto pelas mulheres (apesar de estatisticamente ter sido superior nos homens, o que também aconteceu com falta de resultados). Desanimo, falta de companhia, frequentar somente no verão e não gostar foram mais citados pelas mulheres. Os achados deste estudo podem contribuir para os diferentes atores envolvidos em academias (entre os quais profissionais de Educação Física e os próprios proprietários) refletirem sobre os motivos referidos para desistência e que estratégias para minimização destes fatores sejam elaboradas.

Referências

Schmidt MI, Duncan BB, Azevedo e Silva G, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011; 4;377(9781):1949-61.

Victora CG, Barreto ML, do Carmo Leal M, Monteiro CA, Schmidt MI, Paim J, et al. Health conditions and health-policy innovations in Brazil: the way forward. Lancet. 2011; 11;377(9782):2042-53.

Nahas MV. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida. Londrina, Paraná.: Editora Midiograf.; 2010.

Gulsvik AK, Thelle DS, Samuelsen SO, Myrstad M, Mowe M, Wyller TB. Ageing, physical activity and mortality--a 42-year follow-up study. Int J Epidemiol. 2012;41(2):521-30.

Hu G, Jousilahti P, Borodulin K, Barengo CN, Lakka TA, Nissinen, A. Occupational, commuting and leisure-time physical activity in relation to coronary heart disease among middle-aged Finnish men and women. Atherosclerosis. 2007;194(2):490-497.

Sabia S, Dugravot A, Kivimaki M, Brunner E, Shipley MJ, Singh-Manoux A. Effect of intensity and type of physical activity on mortality: results from the Whitehall II cohort study. Am J Public Health. 2012;102(4):698-704.

Novaes J. Ginástica em academia no Rio de Janeiro: uma pesquisa histórico-descritiva. Rio de Janeiro: Sprint; 1991.

Bottcher LBC, B.V.; Kobubun, E. Aderência a um programa de atividade física e fatores associados. Revista de Educação Física UNESP. 2009;15(1):25-36,

Marcus BH, Dubbert PM, Forsyth LH, McKenzie TL, Stone EJ, Dunn AL, et al. Physical activity behavior change: issues in adoption and maintenance. Health Psychol. 2000;19(1 Suppl):32-41.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010.

Goldenberg M. Gênero e corpo na cultura brasileira. PSIC CLIN, . 2005;17(2):65 - 80.

Serra GMA, Santos, E.M. Saúde e mídia na construção da obesidade e do corpo perfeito. Ciência & Saúde Coletiva. 2003;8(3):691-701.

Pereira J.R. O, S.S. O perfil dos ingressantes de um programa de educação física para idosos e os motivos da adesão inicial. Rev bras Educ Fís Esp 2009;23(4):319-34.

Saba F. Aderência: a prática do exercício físico em academias. São Paulo: Manole; 2001.

Rojas PNC. Aderência aos programas de exercícios físicos em academias de ginástica na cidade de Curitiba-PR.[Dissertação de Mestrado – Programa de Mestrado em Educação Física]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2003.

Frezza M, Lochins, C.L., Kessler, C.K. Tempo e Espaço na Contemporaneidade: uma análise a partir de uma Revista Popular de Negócios. RAC. 2009;13(3):487-503.

Ramos DP. Pesquisas de uso do tempo: um instrumento para aferir as desigualdades de gênero. Estudos Feministas. 2009;17(3):861-70.

Cardoso ACM. Os trabalhadores e suas vivências cotidianas dos tempos de trabalho e não-trabalho. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 2010;25(72):102-117.

Reichert FF, Barros AJ, Domingues MR, Hallal PC. The role of perceived personal barriers to engagement in leisure-time physical activity. Am J Public Health. 2007 Mar;97(3):515-9.

Farinatti PTV, Ferreira, M.S. Saúde, Promoção da Saúde e educação física: conceitos, principios e aplicações. Rio de Janeiro: EdUrerj; 2006.

Costa ISA. Teletrabalho: subjugação e construção de subjetividades. RAP. 2007;41(1):105-24.

Barros AM, Silva, J.R.G. Percepções dos indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home-office: estudo de caso na Shell Brasil. Cadernos EBAPE. 2010;8(1):72-91.

Reiners AAO, Azevedo, R.C.S., Vieira, M.A., Arruda, A.L.G. Produção bibliográfica sobre adesão/não-adesão de pessoas ao tratamento de saúde. Ciência e saúde coletiva. 2008;13 (supl 2):2299-306

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/244

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.