Movimentos Corporais na Ginástica Artística: Para Além da Estereotipação de Gênero e Sexualidade

Por: Thiago Camargo Iwamoto.

Arquivos em Movimento - v.15 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do manuscrito é de refletir sobre os ideários construídos, a partir das convenções sociais, sobre as questões de gênero e sexualidade em torno da Ginástica Artística e movimentos vinculados a essa. Para tanto, foi utilizado como procedimento uma pesquisa bibliográfica, constituindo esse material como um ensaio teórico. As práticas corporais, especificamente a Ginástica Artística, tiveram fortes influências do método ginástico alemão, esse que também sistematizava as práticas de acordo com o “sexo”. O código de pontuação apresenta critérios que reforçam os ideais binários de masculinidade e feminilidade, fato que também é perceptível na sociedade e as estruturas estruturantes (BOURDIEU, 1989). As estruturas instituis características dos movimentos corporais, estigmatizando como pertencentes ao universo masculino e feminino, aqueles que não se enquadram dentro desses padrões são rotulados pela sociedade e, em alguns casos, até dentro dos esportes. Entendemos que não existe distinções dessas técnicas corporais em relação a masculinidade e feminilidade, uma vez que há influências das experiências vividas individual e coletivamente. Ademais, as estruturas sociais reforçam determinados paradigmas que estereotipam as práticas corporais, afastando os possíveis praticantes de adentrar nos esportes, incluindo a Ginástica Artística.

Referências

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRACHT, V. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Ijuí: Editora Unijuí, 2005.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 14. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CARRARA, P.; MOCHIZUKI, L. Influência do Código de Pontuação no treino da Ginástica Artística Masculina. Motriz, Rio Claro, v. 17, n. 4, p. 691-699, 2011.

DE BRITO, L. T.; PONTES, V. S.; PEREIRA, E. G. B. Masculinidades Queer no Voleibol-revisitando'The Iron Ladies. TEXTURA-ULBRA, Canos, v. 18, n. 38, 2016.

DEVIDE, F. P. et al. Estudos de gênero na educação física brasileira. Motriz, Rio Claro, v. 17, n. 1, p. 93-103, 2011.

DOS ANJOS, L. A.; GOELLNER, S. V. Esporte e transgeneridade: corpos, gêneros e sexualidades plurais. In: DORNELLES, P. G.;WENETZ, I., et al (Ed.). Educação física e sexualidade: desafios educacionais. 1 ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2017. cap. 2, p.51-72. (Coleção Educação Física).

FERRARI, A.; DE SOUZA, M. L.; DE CASTRO, R. P. Fazendo e desfazendo gênero em Billy Elliot. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, v. 36, n. 73, p. 51-67, 2018.

FIG. 2017 – 2020 Code of Points: Women’s Artistic Gymnastics. Lausanne: Fédération Internationale de Gymnastique, 2016.

______. 2017 Code of Points: Men’s Artistic Gymnastics. Lausanne: Fédération Internationale de Gymnastique, 2018.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. 1 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

GOELLNER, S. V. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Cadernos de Formação RBCE, Porto Alegre, p. 71-83, Mar. 2010.

GONÇALVES, A. O. G. Sexualidade, Masculinidades e Dança: o preconceito e o (des) respeito ao bailarino numa incursão aos filmes Billy Elliot e Dzi Croquetes. In: DE FREITAS, E. M.; MARTINEZ, F. J., et al (Ed.). Gênero, Sexualidade e Corpo. Goiânia: UFG/CIAR; Gráfica UFG, 2014. p.101-1014.

LANZ, L. O corpo da roupa: a pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. Uma introdução aos estudos transgêneros. Curitiba: Transgente, 2015.

LE BRETON, D. Adeus ao corpo: Antropologia e sociedade. 6 ed. Campinas, SP: Papirus, 2013.

LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MALUF, S. W. Corpo e corporalidade nas culturas contemporâneas: abordagens antropológicas. Esboços-Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC, Santa Catarina, v. 9, n. 9, p. 87-101, 2001.

MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7 ed. São Paulo: Altas, 2010.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. 2 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

NUNOMURA, M.; TSUKAMOTO, M. H. C. Fundamentos das ginásticas. 1. Jundiaí, SP: Fontoura, 2009.

OLIVEIRA, M. S.; BORTOLETO, M. A. C. Apontamentos sobre a evolução histórica, material e morfológica dos aparelhos da Ginástica Artística masculina. Journal of Physical Education Maringa, v. 22, n. 2, p. 283-295, 2011.

PAOLIELLO, E. O universo da ginástica. Campinas, SP: FEF/UNICAMP, 2011.

PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional - Movimento é vida: Atividade Física e Esportivas para Todas as Pessoas. Brasília: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento 2017.

PUBLIO, N. S. Evolução histórica da ginástica olímpica. 2 ed. São Paulo: Phorte, 2002.

QUITZAU, E. A. Da ‘Ginástica para a juventude’a ‘A ginástica alemã’: observações acerca dos primeiros manuais alemães de ginástica. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 111-118, 2015.

SOARES, C. L. Educação Física: Raízes européias e Brasil. Campinas, Autores Associados, 2001.

SOARES, J. P. F.; MOURÃO, L. "Corpos que escapam": performatividades de gêneros, sexualidade e a abjeção no levantamento de peso. In: DORNELLES, P. G.;WENETZ, I., et al (Ed.). Educação física e sexualidade: desafios educacionais. 1 ed. Ijuí: Unijuí, 2017. cap. 3, p.73-94. (Coleção Educação Física).

TRANGBÆK, E. Gender in modern society: femininity, gymnastics and sport. The International Journal of the History of Sport, v. 14, n. 3, p. 136-156, 1997.

TSUKAMOTO, M. H. C.; KNIJNIK, J. D. Ginástica Artística e representações de masculinidade no Brasil. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 7, n. 3, 2009. ISSN 1980-6892.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/22462

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.