Na Relação Entre Eugenia e Educação Physica: a Construção das Noções Eugênicas de Beleza

Por: André Luiz dos Santos Silva e Denise Bolsan Berlese.

Motrivivência - v.30 - n.56 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Este estudo discute o processo de construção de uma sensibilidade para a beleza eugênica atrelada à Educação Physica. Para isso, buscamos em “A cura da Fealdade”, obra eugenista datada de 1923 e escrita por Renato Kehl, um capítulo intitulado “Saúde, Beleza, Robustez e a Educação Physica”. Nessas páginas, encontramos um condensado de imagens e textos que perpassam a ciência e o mito. Identificamos diversos elementos capazes de auxiliar em um processo de educação das noções de corpo. Percebemos subsídios que possibilitam a construção de uma sensibilidade acerca das atividades físicas e sua relação com o ideal eugênico de beleza.

Referências

ALMEIDA, M. J. A liturgia olímpica. In: SOARES, C. L. (Org.) Corpo e História. Campinas: Autores Associados, 2001

CARVALHO JÚNIOR, D. B. A Morte do Herói - Introdução ao estudo de sobrevivência de modelos míticos nas Histórias em Quadrinhos. Dissertação de mestrado. Faculdade de Educação – Unicamp. Campinas 2002.

CARVALHO, Y. M. O mito da atividade física e saúde. São Paulo – Hucitec. 3ª. Ed. 2001.

CHARTIER, R. Textos, impressão, leitura. In: HUNT, L. (Org.) A Nova História Cultural. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FALCON, F. J. História Cultural: Uma visão sobre a sociedade e a cultura. Rio de Janeiro. Campos, 2002.

FERREIRA NETO, A. A pedagogia no exército e na escola: a educação física brasileira (1880-1950). Aracruz, ES: FACHA, 1999.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade pessoal. Oeiras: Celta, 1997.

GOIS JUNIOR, Edivaldo. Ginástica, higiene e eugenia no projeto de nação brasileira: Rio de Janeiro, século XIX e início do século XX. Movimento (ESEFID/UFRGS), Porto Alegre, p. 139-159, dez. 2012.

KEHL, R. Lições de Eugenia. 2ª. Edição refundida e aumentada. Rio de Janeiro, Livraria Francisco Alves, 1935

KEHL, R. Bíblia da Saúde (hygiene). Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1926a.

KEHL, R. A Nudez e a Plástica. Revista da Semana. Rio de Janeiro: 27 de novembro de 1926b.

KEHL, R. Mulheres Bellas. Revista da Semana. Rio de Janeiro: 5 de junho de 1926c.

KEHL, R. Como escolher uma boa esposa Rio de Janeiro: Pimenta de Mello e C, 1925.

KEHL, R. A cura da fealdade: Eugenia e medicina social. São Paulo: Monteiro Lobato & Co-Editores, 1923a.

KEHL, R. O Homem Puro-Sangue. Gazeta de Noticias. Rio de Janeiro, 13 de abril de 1923b

KEHL, R. Como escolher um bom marido? Correio da manhã. Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 1923c.

KEHL, R. Melhoremos e prolonguemos a vida: a valorização eugênica do homem. Rio de Janeiro, Livraria Francisco Alves, 1922;

KEHL, R. Eugenia e Medicina Social: Problemas da vida Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1920a.

KEHL, R. Povo São e Povo Doente: Algumas considerações e dados anthropométricos. Rio de Janeiro: Publicações Brasil – Médico. 1920b.

KEHL, R. Exercícios Physicos: A propósito do livro do Dr. Fernando de Azevedo. O Jornal. Rio de Janeiro, 14 de agosto de 1920c.

KEHL, R. Annaes de Eugenia – Sociedade Eugênica de São Paulo. São Paulo: Editora da Revista do Brasil, 1919.

LINHALES, M. A.; LIMA, D. M. D. e OLIVEIRA, L. T. Médicos e Educadores na “Secção de Educação Physica e Hygiene” da Associação Brasileira de Educação. In: XVI Conbrace e III Conice. Salvador – BA, 2009. Disponível em: http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/CONBRACE/XVI/paper/viewFile/489/825 Acesso em 16-11-2014

MAIO, M. C. Raça, doença e saúde pública no Brasil: um debate sobre o pensamento higienista no Brasil (1870-1930) In: MAIO, M. C. e SANTOS, R. V. Raça como questão: História, Ciência e Identidade no Brasil. Rio de Janeiro: Editora da Fiocruz, 2010.

MAYR, E. O Desenvolvimento do Pensamento Biológico: diversidade, evolução e herança. Tradução de Ivo Martinazzo. Brasília, DF: Editora da UNB, 1998.

MIRANDA, C. E. A. A fisiognomonia de Charles Le Brun – a educação da face e a educação do olhar. Pró-posições. Dossiê: a visibilidade do corpo. Campinas: Unicamp. Vol 14, n 2. Mai/ Ago 2005

MOREIRA, A. F. B. Currículos e Programas no Brasil. São Paulo: Papirus, 2003

PESAVENTO, S. J. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

POLIZELLO, A. Modelos microscópicos de herança no século XIX: a teoria das estirpes de Francis Galton. Filosofia e História da Biologia, v. 3, p. 41-54, 2008.

ROCHA, H. P. L. A higienização dos costumes: Educação escolar e saúde no projeto do Instituto de Hygiene de São Paulo (1918-1925). Campinas SP: Mercado das Letras, São Paulo: Fapesp, 2003.

SANTOS, R. V. Mestiçagem, Degeneração e a viabilidade de uma Nação: debates em antropologia física no Brasil (1870-1930). In: SANTOS, R. V. e MAIO, M. C. Raça como questão: História, Ciência e Identidade no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2010.

SCHPUN, M. R. Beleza em jogo: Cultura física e comportamento em São Paulo nos anos 20. São Paulo: Boitempo, 1999.

SCHWARCZ, L. M. O Espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2004.

SILVA, A. L. Sedentárias e Coquettes à margem: corpos e feminilidades desviantes na obra de Renato Kehl. In: Pensar a Prática. Vol 11, nº3, set/dez, 2009. Goiânia: Ed UFG.

SOARES, C. L Imagens da Educação no Corpo: Campinas: Autores Associados; 2005.

SOUZA V. S. A Política Biológica como projeto: a “Eugenia Negativa” e a construção da nacionalidade na trajetória de Renato Kehl (1917-1932). Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de pós graduação da COC/Fiocruz, 2006.

STEPAN, N. L. A hora da Eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

Endereço: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n56p49

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.