Níveis de Atividade Física e Qualidade de Vida de Dependentes Químicos de Drogas Psicotrópicas em Tratamento

Por: Anderson Fernandes Batista, André Accioly Nogueira Machado e Vitor Viana da Costa.

Kinesis - v.36 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Esta pesquisa objetivou traçar o perfil sociodemográfico e socioeconômico, o nível de atividade física e qualidade de vida de dependentes químicos em tratamento, através da aplicação de um questionário sobre dados socioeconômicos, IPAQ e o World Health Organization Qualityof Life Instrument – Bref. Percebeu-se que 60% foram considerados indivíduos Ativos, que 50% avaliaram sua qualidade de vida como Boa e 50% avaliaram como não sendo Nem boa nem ruim.Concluímos que os indivíduos podem ser considerados como ativos, percebem sua qualidade de vida de maneira positiva e apresentam uma maior contribuição dos domínios social e psicológico.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, R. A. et al. Perfil dos usuários de substâncias psicoativas de João Pessoa. Revista Saúde Debate, Rio De Janeiro, V. 38, n. 102, 2014.

BALBIM, G. M.; GARCIA JÚNIOR, E.; NOGUEIRA FILHO, K. Nível de atividade física e condições sócio-demográficas em dependentes químicos em tratamento do município de Maringá, PR. EFDeportes.com, Revista Digital, V. 15, n. 153, 2011.

BARBANTI, E. J. Efeito da atividade física na qualidade de vidas em pacientes com depressão e dependência química. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Saúde Mental, Álcool e Drogas, V. 11, n. 1, 2006.

BARBANTI, V. J. Atividade Física e Saúde. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde; v.10, n.4, 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.conselho. saude.gov.br/web_comissoes/conep/index.html>. Acesso em 10 Jul 2017.

BUCHER, R. Visão Histórica e Antropológica das Drogas. In: FIGUEIREDO, R. (Org). Prevenção ao abuso de drogas em Ações de Saúde e Educação: uma abordagem sócio-cultural e de redução de danos. São Paulo, NEPAIDS/USP, 2002.

CAPISTRANO, F. C. et al. Perfil Sociodemográfico E Clínico de Dependentes Químicos em Tratamento: Análise De Prontuários. Esc Anna Nery,v. 17, n. 2, 2013.

CARDOSO, J. A. Avaliação do sofrimento mental de dependentes químicos de Floriano.RevistaInterd, V. 8, n. 3, 2015.

CASTRO, M. G., al. Qualidade de vida e gravidade de dependência de tabaco. RevistaPsíquicaClínica, V 34, n. 2, 2007.

COSTA, V. V.; SILVA, K. C. S. Melhoria na qualidade de vida em idosos por meio de atividades físicas: uma revisão bibliográfica. EFDeportes.com, Revista Digital, v. 19, n. 193, 2014.

DAY, E.; WILKES, S.; COPELLO, A. Spirituality is not everyone's cup of tea for treating addiction. BMJ, 325:1434, 2002.

DUNCAN, B. B.; SCHMIDT, M. I.;Medicina Embasada em Evidências. In DUNCAN B. B.; SCHMIDT, M. I.; GIUGLIANI, E. R. J.; Medicina ambulatorial, condutas clínicas em atenção primária. Porto Alegre: Artes Médicas, 2006.

Endereço: https://periodicos.ufsm.br/kinesis/article/view/29689

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.