Níveis de Depressão, Hábitos e Aderência a Programas de Atividades Físicas de Pessoas Diagnosticadas com Transtornos Depressivos

Por: Lucinéia Daleth da Silveira e .

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.6 - n.2 - 2004

Send to Kindle


Resumo

Este estudo teve por objetivo verificar os níveis de atividade física habitual, níveis de depressão e aderência à prática de atividade física de pessoas diagnosticadas com transtorno depressivo. A amostra foi composta por 320 pessoas que estavam realizando tratamento em clínicas e hospitais especializados dos municípios de Florianópolis e São José. A média de idade das pessoas avaliadas foi de 37,5 ± 11,0 anos. Para a coleta de dados, além de um questionário aplicado para levantar informações sobre dados pessoais, nível socioeconômico e aderência à prática de atividade física, foi também utilizado o IPAQ – Questionário Internacional de Atividade Física na versão 8.0 e o BDI – Inventário de Depressão de Beck. Conclui-se que: a) os homens e as mulheres de nível socioeconômico mais baixo, apresentaram níveis mais graves de depressão; b) o nível de participação em atividades físicas foi baixíssimo, em ambos os gêneros; c) a maioria das pessoas que praticava atividadesfísicas, o fazia na forma de caminhada.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/3827

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.