Nível de Atividade Física dos Servidores da Universidade Estadual de Maringá

Por: Ariane Thaís Giraldelli e Bárbara Magro.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

A partir da era epidemiológica das doenças crônico-degenerativas surgem diversos
estudos epidemiológicos relacionando atividade física como meio de promoção da
saúde, sendo que nas últimas três décadas numerosos trabalhos têm consistentemente
demonstrado que altos níveis de atividade física ou aptidão física estão associados à
diminuição no risco de doença arterial coronariana, diabetes, hipertensão, osteoporose
e obesidade. Existem evidências bastante significativas da influência da atividade
física na melhoria da eficiência do sistema imunológico, fato que pode reduzir a
incidência de alguns tipos de câncer e melhorar a resistência de pacientes com
AIDS. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi verificar o nível de atividade física
dos servidores da Universidade Estadual de Maringá. Para tanto foram selecionados
aleatoriamente de diversos departamentos da instituição 80 indivíduos de ambos os
sexos com idade entre 17 e 65 anos. Para avaliar o nível de atividade física utilizouse em abordagem de entrevista o Questionário Internacional de Atividade Física
(IPAQ) que classifica as pessoas em cinco categorias: irregularmente ativo A,
irregularmente ativo B, sedentário, ativo e muito ativo. Após a análise dos resultados,
verificou-se que o nível de sedentários representa 31% do total da amostra. A
porcentagem de indivíduos classificados como irregularmente ativos A é de 5%,
enquanto que os irregularmente ativos B correspondem a 26%.A porcentagem de
indivíduos considerados ativos e muito ativos foi de 38%. Ainda se somarmos a
porcentagem de indivíduos que não atingem a recomendação mínima de atividade
física para a saúde entre os servidores (sedentários, irregularmente ativos A e B),
este número chega a 62%. Observou-se então que mais da metade dos servidores
estudados não atingem a recomendação de atividade física para a saúde. Estes dados
servem para que percebamos a extrema necessidade da elaboração de projetos e
sistemáticas políticas com abrangências voltadas à saúde e bem estar da população,
pois apesar do conhecimento sobre os efeitos benéficos da atividade física, na amostra
estudada existe uma alta prevalência de sujeitos que não a praticam de maneira
suficiente para a promoção da saúde, fazendo-se necessário que sejam investigados
os fatores que impedem a adesão à prática regular.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/63_Anais_p263.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.