Nível de Atividade Física e Capacidade Funcional de Idosos Praticantes de Musculação

Por: Adeilton José dos Santos, Antenor de Oliveira Silva Neto, Dilton dos Santos Silva, Jorge Rollemberg dos Santos, Jymmys Lopes dos Santos e Lúcio Marques Vieira Souza.

Corpoconsciência - v.24 - n.3 - 2020

Send to Kindle


Resumo

O envelhecimento populacional no mundo vem crescendo de forma constante, fazendo as populações de todas as partes do mundo se tornarem relativamente envelhecidas. O presente estudo teve como objetivo avaliar o Nível de Atividade Física e a Capacidade funcional de idosos praticantes de musculação. As variáveis estudadas foram: nível socioeconômico, percentual de gordura, avaliação do nível de atividade física e capacidade Funcional e teve como resultados a prevalência de mulheres (17) para Homens (14), e a idade predominante foi dos 60 aos 70 anos. Sobre a classificação de IMC dos idosos foi observada a prevalência da eutrofia, para os níveis de atividades os resultados apresentados foram satisfatórios ao comparar com outros estudos, ou seja, em sua maioria nos níveis ativos, a capacidade funcional apresentada enquadrou todos os idosos como independentes. Conclui-se que a atividade física é um importante aliado na melhoria dos mais diversos fatores que influenciam no processo de envelhecimento.

Referências

AREOSA, Silvia Virginia Coutinho; AREOSA, Antonio Luiz. Envelhecimento e dependência: desafios a serem enfrentados. Revista Textos & Contextos, v. 7, n. 1, p. 138-150, 2008.

BELTRÃO, Kaizô Iwakami; CAMARANO, Ana Amélia; KANSO, Solange. Dinâmica populacional brasileira na virada do século XX. Rio de Janeiro: Ipea, 2004

BENEDETTI, Tânia Bertoldo; MAZO, Giovana Zarpellon; BARROS, Mauro Virgilio Gomes de. Aplicação do Questionário Internacional de Atividade Físicas para avaliação do nível de atividades físicas de mulheres idosas: validade concorrente e reprodutibilidade teste/ reteste. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 12, n.1, p. 25-33, 2004.

CARDOSO, Adilson Sant'Ana et al. Comparação do nível de atividade física em relação ao gênero de idosos participantes de grupos de convivência. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, v. 5, n. 1, p. 9-18, 2008.

CERRI, Alessandra de Souza; SIMÕES, Regina. Hidroginástica e Idosos: por que eles praticam? Revista Movimento, v.13, n.1, p.81-92, 2007.

FILHO, Wilson Jacob. Atividade física e envelhecimento saudável. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v.20, p.73-77, 2006.

FARIA, Luisa; MARINHO, Claúdia. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida na Terceira Idade. Revista Portuguesa de Psicossomática, v. 6, n.1, p. 93 -104, 2004.

MAZO, Giovana Zarpellon et al.. Condições de saúde, incidência de quedas e nível de atividade física dos idosos . Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 11, n. 6, p. 437-442, 2007.

MENDES, Antonio da Cruz Gouveia et al. Assistência pública de saúde no contexto da transição demográfica brasileira. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 5, p. 955-964, 2012.

MOTA Jorge et al. Atividade física e qualidade de vida associada à saúde em idosos participantes e não participantes em programas regulares de atividade física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v.20, n.3, p.219-25, 2006.

NELSON, Mirian et al. Physical activity and public health in older adults: recommendation from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Medicine Science Sports Exercice, v. 39, n. 8, p. 1435-1445, 2007.

NETTO, Matheus Papaléo. Tratado de gerontologia, 2° Ed, editora Atheneu. 2007.

OMS. World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Technical Report Series, v. 854, p. 375-409 1995.

PAVARINI, Sofia Cristina Iost; NERI, Anita Liberalesso. Compreendendo dependência, independência e autonomia no contexto domiciliar: conceitos, atitudes e comportamentos. In: Duarte. YAO, Diogo MJD. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu, p. 49-70, 2000.

PEREIRA, Renata Junqueira et al. Perfil de saúde de idosas, praticantes de atividade física, cadastradas no programa municipal da terceira idade do município de Viçosa – Mg. Revista Médica Minas Gerais, v. 14, n.4, p. 239-43, 2004.

RIBEIRO, Telmo de Vasconcelos. Estudo do Equilíbrio Estático e Dinâmico em Indivíduos Idosos. 2009. 158f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Desporto). Faculdade do Desporto. Universidade do Porto. Portugal. 2009.

SEBASTIÃO, Émerson et al. Efeitos da prática regular de dança na capacidade funcional de mulheres acima de 50 anos. Revista da Educação Física/UEM, v. 19, n. 2, p. 205-214, 2008.

SILVA, Nádia et al. Exercício físico e envelhecimento: benefícios à saúde e características de programas desenvolvidos pelo LABSAU/IEFD/UERJ. Revista HUPE, v. 13, n. 2, p. 75-85, 2014.

SOUZA Raphaela et al. Avaliação antropométrica em idosos: estimativas de peso e altura e concordância entre classificações de IMC. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia., v. 16, n. 1, p. 81-90, 2013.

TEIXEIRA, Ana Cristina; BARBOSA, Rita Maria dos Santos Puga. Avaliações psicossociais de adultas na meia idade. BIUS -Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia, v. 2, n. 1, p. 56-73, 2011.

VILARTA, Roberto et al. Alimentação saudável e atividade física para a qualidade de vida. Campinas: IPES Editorial; 2007.

Endereço: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10394

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.