Nivel de Atividade Física e Transtornos Mentais Comuns Entre Trabalhadores de Uma Instituição de Ensino Superior da Bahia

Por: Lélia Lessa Lessa Teixeira Pinto.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.1 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo


Objetivo: Investigar a associação entre transtornos mentais comuns (TMC) e nível de atividade física (NAF) em servidores universitários de uma instituição da Bahia. Procedimentos Metodológicos: Foi realizado um estudo epidemiológico de corte transversal, de caráter censitário, que incluiu 83 funcionários da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Campus Jequié, dos 102 existentes (taxa resposta=81,37%). Utilizou-se um instrumento de coleta de dados com blocos de informações de variáveis sociodemográficas, ocupacionais, NAF e TMC. Na análise dos dados foram utilizados procedimentos da estatística descritiva e medidas de associação para variáveis categóricas. Resultados: Verificou-se uma prevalência de 9,9% de TMC nos funcionários. Em relação ao nível de atividade física (NAF) dos funcionários, 50,6% dos sujeitos eram ativos fisicamente. Não foi encontrada associação estatisticamente significante entre TMC e NAF, assim como com variáveis sociodemográficas e ocupacionais, contudo a prevalência de TMC foi maior entre os pouco ativos (12,5%). Conclusão: Os resultados encontrados contribuem para pesquisas futuras no intuito de esclarecer melhor essa associação, assim como para fornecer elementos norteadores para políticas de promoção à saúde do trabalhador no âmbito das universidades através da melhoria da qualidade de vida, considerando as repercussões psíquicas das atividades laborais no cotidiano

Referências

Brasil. Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde no Brasil. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde do Brasil; 2001b.

Ludermir AB. Desigualdades de Classe e Gênero e Saúde Mental nas Cidades. Physis Rev de Saúde Coletiva 2008; 18(3): 451-467.

Wiles NJ, Haase AM, Gallacher J, Lawlor DA, Lewis G. Physical activity and Common Mental Disorder: Results from the Caerphilly Study. Am J Epidemiol 2007; 165: 946-54.

Rocha SV, Araújo TM, Almeida MMG, Virtuoso Júnior JS. Prática de atividade física no lazer e transtornos mentais comuns entre residentes de um município do nordeste do Brasil. Rev Brasileira de Epidemiologia 2012 (no prelo).

Carpersen CJ, Powell KE, Christensan GM. Physical activity, exercise, and physical activity fitness: definitions and distinctions for health-relate research. Public health Rep 1985; 100(2): 126-131.

American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço Sua Prescrição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

Peluso, MAM, Andrade LHSG. Physical Activity and Mental Health: the association between exercise and mood. Clinics 2005; 60(1): 61-70.

IBGE. Cidade@. Jequié. Informações Estatísticas. Disponível em: [2010 ago 17].

Pardini R, Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade E, Braggion G, Andrade D, Oliveira L, Figueira Junior A, Raso V. Validação do questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ – versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Rev Bras Cien Mov 2001; 8(3): 45-51.

Haskell WL, Lee I, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, Macera CA, Heath GW, Thompson PD, Bauman A. Physical Activity and Public Health: Updated Recommendation for Adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007; 39(8): 1423-34.

Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Hallal PC. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Publica 2008; 24(1): 39-54.

Mari JJ, Williams P. A validity study of a Psychiatric Screening Questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of São Paulo. Br J Psychiatr 1986;148:23-6.

Ludermir AB, Melo Filho DA. Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Rev Saúde Publica 2002; 36(2): 213-21.

Santos KOB, Araújo TM, Oliveira NF. Estrutura fatorial e consistência interna do Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20) em população urbana. Cad Saúde Publica. 2009; 25(1): 214-22.

Araújo TM, Aquino E, Menezes G, Santos CO, Aguiar L. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbios psíquicos entre trabalhadoras de enfermagem. Rev Saúde Publica. 2003; 33(1): 424-33.

Sobrinho CLN, Carvalho FM, Bonfim TAS, Cirino AS, Ferreira IS. Working conditions and health of doctors in Salvador, Brazil. Rev Assoc Med Bras. 2006; 52:97-102.

Costa AG, Ludermir AB. Transtornos Mentais Comuns e apoio social: estudo em comunidade rural da Zona da Mata de Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Publica. 2005; 21(1): 73-9.

Anselmi L, Barros FC, Minten GC, Gigante DP, Horta BL, Victora CG. Prevalência e determinantes precoces dos transtornos mentais comuns na coorte de nascimentos de 1982, Pelotas, RS. Rev Saúde Publica. 2008; 42: 26-33.

Puertas G, Ríos C, Del Valle H. Prevalencia de trastornos mentales comunes en barrios marginales urbanos con población desplazada en Colombia. Rev Panam Salud Publica. 2006; 20: 324–30.

Usdhhs. Physical activity and health: a report of the Surgeon General. Atlanta: United State Departament of Health and Human Services, Centers for Disease and Prevention, National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion, 1996.

Stella F, Gobbi S, Corazza DI, Costa JLR. Depressão no Idoso: Diagnóstico, Tratamento e Benefícios da Atividade Física. Motriz, 2002; 8(3): 91-98.

Guimarães JMN, Caldas CP. A influência da atividade física nos quadros depressivos de pessoas idosas: uma revisão sistemática. Rev Bras Epidemiologia 2006; 9(4): 481-92

Rocha SV, Almeida MMG, Araújo TM, Virtuoso Junior JS. Atividade física no lazer e transtornos mentais comuns entre idosos residentes em um município do nordeste do Brasil. J Bras Psiquiatr. 2011; 60(2):80-85.

Mari JJ, Jorge MR. Transtornos psiquiátricos na clinica geral. Psychiatry On-line Brazil 1997;2. Disponível em: < http://www.polbr.med.br/ano97/tpqcm.php.> [2012 set 18]

Lopes CS, Faerstein E, Chor D. Eventos de vida produtores de estresse e transtornos mentais comuns: resultados do Estudo Pró-Saúde. Cad Saúde Publica. 2003; 19(6): 1713-20.

Costa JSD, Menezes AMB, Olinto MTA, Gigante DP, Macedo S, Britto MAP, Fuchs SC. Prevalência de distúrbios psiquiátricos menores na cidade de Pelotas, RS. Rev Bras Epidemiologia 2002; 5(2): 164-73.

Farias MD, Araújo TM. Transtornos mentais comuns entre trabalhadores da zona urbana de Feira de Santana-BA. Rev. bras. Saúde ocup. 2011; 36 (123): 25-39.

Gasparini SM, Barreto SM, Assunção AA. Prevalência de transtornos mentais comuns em professores da rede municipal de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Publica. 2006; 22(12): 2679-91.

Almeida MAB, Vitagliano LF. Patologias sociais e a qualidade de vida na sociedade moderna. Rev Bras Qualidade de Vida 2009; 1(2): 1-7.

Heloani JR, Capitão CG. Saúde Mental e Psicologia do Trabalho. São Paulo em Perspectiva. 2003; 17(2): 102-8.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/293

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.