Nível Insuficiente de Atividade Física Se Associa a Menor Qualidade de Vida e Ao Estudo Noturno em Universitários do Distrito Federal

Por: Daniel Rodrigues Saint Martin, Diego Antônio Cândido Couto, Guilherme Eckhardt Molina, Luiz Fernando Junqueira Junior e .

Revista Brasileira de Ciências do Esporte - v.41 - n.3 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Desde o pioneiro estudo de Morris e Heady (1953), no qual se evidenciou aumento do risco cardiovascular entre os motoristas dos ônibus londrinos comparativamente aos cobradores, houve grande desenvolvimento de estudos epidemiológicos que abordaram a relação exercício-saúde, em populações diversas (Porto e Junqueira, 2008). Em 2007, o American College of Sports Medicine (ACSM) e a American Heart Association (AHA) atualizaram as recomendações de atividade física (AF) mínima para a saúde, preconizaram o acúmulo de pelo menos 150 minutos de AF moderada por semana (Haskell et al., 2007). Entretanto, o significativo crescimento das evidências científicas não foi acompanhado pelo desejado incremento do nível de atividade física (NAF) em nível populacional. Em 2002 a Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou a prevalência mundial de sedentarismo entre 11 e 24% e de prática insuficiente de AF (<150min/sem) entre 31 e 51% (WHO, 2002). Dados mais recentes indicam a manutenção de quadros semelhantes no Brasil e no mundo (Hallal et al., 2012; Brasil, 2016).

Endereço: http://www.rbceonline.org.br/es-nivel-insuficiente-atividade-fisica-se-articulo-S0101328917300288

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.