No Ventre da Capoeira, Marcas de Gente, Jeito de Corpo: Um Estudo das Relações de Gênero na Cosmovisão Africana da Capoeira Angola.

Por: Ivanildes Teixeira Sena.

151 páginas. 2015 30/07/2015

Send to Kindle


Resumo

Esta dissertação possui um duplo objetivo, apresentar a Capoeira Angola no âmbito de uma visão cosmoafricana, bem como entender as relações de gênero nessa capoeira. discuto como os valores da cultura ocidental tensionam e influem na cosmovisão cultural africana no âmbito da capoeiragem, onde os corpos são situados como femininos e masculinos, embora as diferenças de sexo/gênero não sejam evidenciadas. Por um lado, considero a capoeira uma cosmologia de mundo e ao mesmo tempo uma prática de libertação e resistência de um corpo negro. Proponho repensar as representações sobre a capoeira, quer seja como folclore, quer seja como arte aurética, do presente ou de um passado histórico e sobretudo, situá-la no contexto contemporâneo de uma tradição cosmoafricana. Por outro lado, os debates sobre gênero estão ancorados prioritariamente no conceito de “tecnologia de gênero”, postulado por Lauretis (1989). A perspectiva feminista compõe o desenrolar teórico-metodológico da pesquisa qualitativa, cujos procedimentos são a observação participante, as entrevistas semiestruturadas com mulheres capoeiristas e a memória da vivência da pesquisadora como capoeirista. A escrita será conduzida pela ideia da “escrevivência”, desenvolvida por Brito (2011), cujo conteúdo nos reporta à escrita de um corpo inscrito em uma condição de experiência negra no Brasil. A perspectiva teórica circula na produção feminista de Lorde (1984); hooks (1998); Butler (2000); Davis (2013); Brito (2011); Louro (2008); Lugones (2014) bem como na produção sobre capoeira e cultura cosmoafricana de Abib (2005); Barbosa (2005); Barreto (2005); Conceição (2009); Curió (2011); Fernandes e Silva (2009); Machado (2013); Oliveira (2006); Pastinha (1988); Pequeno (2000); Rego (1968). Nesta análise, a tensão na relação de gênero no lócus pesquisado propõe o desafio de pensar a trajetória do corpo das mulheres capoeiristas como produto e processo histórico-cultural, construído simbolicamente, e desestruturador sistêmico da estrutura que lhe é imposta socialmente. 

Ver Arquivo (PDF)

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.