O Automobilismo na Cidade do Rio de Janeiro de 1954 a 1966: das Ruas Para o Autódromo

Por: Rodrigo Vilela Elias.

2010 08/03/2010

Send to Kindle


Resumo

 O objetivo deste estudo foi analisar a relação entre o automobilismo e a cidade do Rio de Janeiro tendo como foco o deslocamento das corridas de rua para o Autódromo Internacional do Rio de Janeiro, entre 1954 e 1966. O fim do Circuito da Gávea (1954) iniciou um período de sombra para o automobilismo na cidade, numa época  caracterizada pela implantação da indústria automobilística nacional (1956) e pelo  crescimento urbano acelerado das capitais. Utilizou-se a abordagem da história cultural (BARROS, 2008) para relacionar o automobilismo ao cenário urbano que se modificava  em função de um ideal de modernidade, (SEVCENKO, 1998) que influenciava o modo  de vida da população. As fontes foram as revistas “Quatro Rodas” e a “Revista de  Automóveis”. Buscou-se nestes periódicos, reportagens, editoriais e outros textos que  permitissem uma aproximação com o cotidiano do automobilismo e suas  transformações. Na Revista de Automóveis (1954-1959), as reportagens privilegiavam  os acontecimentos do esporte a motor no Rio de Janeiro e a implantação da indústria  nacional. As Crônicas mostravam a relação de proximidade e dependência que se  costurava entre a população e o automóvel na cidade. A revista Quatro Rodas (1960- 1966) anunciava que o autódromo de Interlagos, na cidade de São Paulo, protagonizava  um novo momento do automobilismo brasileiro com grande participação das indústrias,  apesar dos graves problemas administrativos. As corridas no Rio de Janeiro neste  período figuraram, na maioria das vezes, em notas de menor importância. Nos anos  1960, um novo momento era anunciado pela revista, com diferentes formas de  utilização do automóvel, como o turismo sobre rodas, que motivava o acompanhamento  da construção de estradas nacionais, bem como, suas condições de rodagem. As duas  revistas apresentavam uma conotação pedagógica para introdução do automóvel na  sociedade, e uma preocupação com a adaptação urbana ao crescente número de  veículos. Conclui-se que o automobilismo propagava o desenvolvimento nacional  calcado nas indústrias automobilísticas, ao mesmo tempo em que se desenvolvia,  através dos investimentos industriais. A briga entre o Automóvel Clube do Brasil e a  Confederação Brasileira de Automobilismo pela administração deste esporte marcou  esta época e não trouxe contribuições para o seu desenvolvimento. A cidade do Rio de  Janeiro que abarcava corridas no centro urbano empurrou essas provas, de acordo com o  seu crescimento, para bairros distantes, como a Barra da Tijuca. A boa presença de  espectadores assistindo as corridas evidenciava a importância deste esporte na cidade,  que aliado a estreita relação com as indústrias, reuniu as condições necessárias para a  construção do Autódromo Internacional do Rio de Janeiro em 1966.

Endereço: https://www.dropbox.com/s/x9bbmz4syp8cw2n/UGF.00391.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.