O Belo e o Macho: a Masculinidade nas Arquibancadas de Um Estádio de Futebol

Por: Phelipe Caldas Pontes Carvalho.

áltera - Revista de Antropologia - v.1 - n.6 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O artigo parte de pesquisas de campo realizadas ao longo de 2017 e dos primeiros meses de 2018, no Estádio Almeidão, em João Pessoa, em meio à torcida do Botafogo da Paraíba. Em diferentes incursões, todas feitas em jogos oficiais do clube em questão, o que se percebeu foi um ambiente predominante de homens, heterossexuais, cuja masculinidade é sempre reforçada como aspecto positivo e como parte definidora de sua identidade. Ao mesmo tempo, o uso de xingamentos homofóbicos serve para marcar o clube e a torcida rival, como seres que merecem ser menosprezados, atacados ou combatidos. Isso provoca, mesmo que às vezes de forma inconsciente, um ambiente hostil para mulheres e para homossexuais da própria torcida botafoguense, que também se fazem presentes ao estádio. O objetivo aqui, pois, é entender como os marcadores sociais da diferença interferem nas relações entre os torcedores e reforça uma violência simbólica contra determinados grupos.

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale de. O Manifesto do corpo. Manifesto, v. 5, p. 17-35, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 11ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CONNEL, Raewyn. Gênero em Termos Reais. Trad. Marília Moschkovich. São Paulo: nVersos, 2016.

DAMO, Arlei Sander. Paixão partilhada e participativa: o caso do futebol. História: Questões & Debates, v. 57, n. 2, p. 45-72, jul./dez. 2012.

DE LEÓN, Adriano. Tem viado no gramado dos campos de futebol? Uma proposta metodológica para analisar diferentes performances masculinas. In: MACHADO, Charliton; NUNES, Maria; SANTIAGO, Idalina. Olhares: gênero, sexualidade e cultura. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, p. 47-72, 2011.

FERREIRA, Marcelus Gonçalves. Corpo/Cidade – uma corpografia do medo. Contemporânea (Título não-corrente), v. 9, n. 2, p. 86-98, dez. 2011.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Trad. Mathias Lambert. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

LE BRETON, David. A Sociologia do Corpo. Trad. Sônia M. S. Fuhrmann. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

_______. Antropologia do Corpo e Modernidade. Trad. Fábio dos Santos Creder. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

MAGNANI, José Guilherme. De Perto e de Dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, p. 11-29, 2002.

SIMMEL, Georg. O Estrangeiro. Trad. Mauro Guilherme Pinheiro Koury. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 4, n. 12, p. 265-271, dez. 2005.

_______. O Conflito como Sociação. Trad. Mauro Guilherme Pinheiro Koury. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, p. 568-573, dez. 2011.

STAHLBERG, Lara Tejada. Mulheres em Campo: novas reflexões acerca do feminino no futebol. 2011. 125 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, 2011.

TOLEDO, Luiz Henrique de. A Cidade das Torcidas: representações do espaço urbano entre os torcedores e torcidas de futebol na cidade de São Paulo. In: MAGNANI, José Guilherme; TORRES, Lilian de (Orgs.). Na Metrópole: textos de antropologia urbana. São Paulo: Edusp; Fapesp, 1996.

Endereço: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/altera/article/view/39387

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.