O Cinema e a Escola: Formas Imagéticas da Violência *

Por: Áurea M. Guimarães.

Cadernos Cedes - n.47 - 1998

Send to Kindle


Resumo

Resumo: Este artigo pretende analisar as relações entre mito, violência e cinema. Queremos saber que suportes a narrativa fílmica oferece para que o público, ao ver um filme, possa criar e recriar sentidos, indo além dos valores reiterados pela estrutura fílmica. A escola seria um dos espaços para que a literatura, as artes em geral, e o cinema em particular, germinassem as possibilidades de alunos e professores transformarem-se em "sujeitos imaginantes", produtores e não apenas reprodutores de sentidos. Palavras-chave: mito, violência, cinema, memória, imaginação criativa * Este artigo foi apresentado em forma de comunicação no Primeiro Encontro sobre Imaginário, Cultura, e Educação, promovido pelo Cice, Centro de Estudos do Imaginário, Culturanálise de Grupo e Educação Feusp, de 13 a 15 de abril de 1998. O texto aqui analisado é fruto de um projeto intitulado: "A violência fundadora dos mitos e sua recriação nas imgens do cinema" e está sendo desenvolvido com o apoio do Laboratório de Estudos Audiovisuais - OLHO, da Faculdade de Educação da Unicamp, sob a coordenação do Professor doutor Milton José de Almeida. ** Doutorado na área de Filosofia e História da Educação e professora do Departamento de Metodologia de Ensino, na Faculdade de Educação da Unicamp. --------------------------------------------------------------------------------

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.