O Cinema e Suas Interfaces com Gênero, Sexualidade e Educação Física

Por: Angelita Alice Jaeger e .

Holos - n.1 - 2016

Send to Kindle


Resumo

Nesta pesquisa objetivou-se conhecer e analisar as representações de gênero e sexualidade construídas por estudantes de um curso de formação profissional em Educação Física a partir dos filmes Tomboy (2011) e Assunto de Meninas (2001), que, respectivamente, abordam as duas temáticas. Após assistir cada película, realizou-se um grupo focal, contando com a presença de sete acadêmico/as do curso de Educação Física de uma universidade pública do Rio Grande do Sul. As discussões foram capturadas em um gravador digital e transcritas integralmente. As 56 páginas de material empírico foram submetidas a uma análise de conteúdo. Utilizar o enredo cinematográfico para criar as condições de possibilidade para a manifestação dos/s estudantes constituiu-se em uma produtiva estratégia para captar suas representações. A partir do filme Tomboy, emergiram noções acerca das relações de gênero ligadas a uma norma referente do que é entendido como menino-masculino e menina-feminina, indicando que o/as acadêmico/as afirmam e reafirmam noções normalizadas ao conectar linearmente sexo e gênero. Em Assunto de Meninas, a visibilidade da homossexualidade feminina produziu silêncios e desconfortos nas discussões. Contudo, a abordagem da obra suscitou a manifestação de representações centradas na heterossexualidade, sugerindo que outras sexualidades devem ser veladas e escondidas. Diante disso, conclui-se que as representações de gênero e sexualidade do/as estudantes de Educação Física aproximam-se de uma norma referente, na qual ser homem ou ser mulher deve estar alinhado com aquilo que se espera de um homem-masculino-heterossexual e uma mulher-feminina-heterossexual.

REFERÊNCIAS

ALTMANN, H. Orientação Sexual nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Estudos Feministas, Florianópolis, ano 9, p. 575-585, 2001.

ALTMANN. H. Diversidade sexual e educação: desafios para a formação docente. Sexualidad, salud y sociedad – Revista latinoamericana, nº 3, p. 69-82, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARBOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BLASCO, P. Medicina da família e cinema: recursos humanísticos na educação médica. São Paulo: Ed. Casa do Psicólogo, 2002.

BENTO, B. As tecnologias que fazem os gêneros. In: Anais do VIII Congresso Iberoamericano em Ciência, Tecnologia e Gênero, p. 01-13, 2010.

BOGDAN, R; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação: fundamentos, métodos e técnicas. In: Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, p. 15-80, 1994.

CARVALHO, M. E. P.; Modos de educação, gênero e relações escola–família. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 121, p. 41-58, jan./abr, 2004.

CEZAR, P. H. N.; GOMES, A. P.; SIQUEIRA-BATISTA, R. O cinema e a educação bioética no curso de graduação em medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 35 (1), p. 93-101, 2011.

DAMICO, J. G. S.; Quantas calorias eu preciso [gastar] para emagrecer com saúde? : como mulheres jovens aprendem estratégias para cuidar do corpo. 2004. 161 f. Dissertação (Programa de Pós- graduação em Educação- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

DANTAS, A. A.; MARTINS, C. H.; MILITÃO, M. S. R. Cinema como instrumento didático para abordagem de problemas bioéticos: uma reflexão sobre a eutanásia. Revista Brasileira de Educação Médica, n. 35 (1), p. 69-76, 2011.

DIAS, C. Esporte e política em Invictus, de Clint Eastwood. Revista brasileira de ciências do esporte. Florianópolis, v. 36, n. 2, p. 515-530, abril/junho, 2014.

DUARTE, R. Cinema e educação. Belo Horizonte: Ed. Autêntica; 2002.

ELLSWORTH, E.. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p.7-76

FERREIRA, B. L.; LUZ, N. S. Sexualidade e gênero na escola. In: LUZ, N. S; CARVALHO, M. G; CASAGRANDE L. S. (Org.). Construindo a igualdade na diversidade: gênero e sexualidade na escola. Curitiba: UTFPR, 2009.

GOELLNER, S. V. Jogos olímpicos e desafios: Carruagens de fogo. In: MELO, V. A.; PERES, F. F. (orgs.). O esporte vai ao cinema. Rio de Janeiro: Editora Senac Nacional, p. 65-73, 2005.

JAEGER, A. A.; GOELLNER, S. V. O músculo estraga a mulher? a produção de feminilidades no fisiculturismo. Estudos Feministas, vol.19, n.3, p. 955-976, 2011.

JAEGER, A. A.; Mulheres atletas da potencialização muscular e a construção de arquiteturas corporais no fisiculturismo. 2009. 237 f. Tese (Programa de Pós- graduação em Ciência do Movimento Humano- Universidade Federal do Rio Grande do Sul), Porto Alegre, 2009.

JUNQUEIRA, R. D. Introdução – Homofobia nas escolas: Um problema de todos. In: JUNQUEIRA, R. D. (Org.). Diversidade Sexual na Educação: Problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação/Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/UNESCO, p. 13-51, 2009.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do armário e currículo em ação: heteronormatividade, heterossexismo e homofobia no cotidiano escolar. MILSKOLCI, Richard (Org.). Discursos fora da Ordem: deslocamentos, reinvenções e direitos. São Paulo: Annablume, 2012.

KNIJNIK, J.; MELO, V. de A. Football and the ‘new’ gender order: Brazilian cinema in the late twentieth century. Soccer & Society, p, 1-16, abril de 2015.

LIONÇO, T.; DINIZ, D . Homofobia, silêncio e naturalização: por uma narrativa da diversidade sexual. In: 2009, p. 53) livro homofobia e educação. LIONÇO, T.; DINIZ, D. (Org.) Homofobia & Educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres: EdUnB, 2009.

LOURO, G. L.; Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Ed. Vozes, 8° edição. Petrópolis-RJ, 1997.

LOURO, G. L. O Corpo Educado: Pedagogias da Sexualidade. Minas Gerais: Editora autêntica, 2007.

LOURO, G. L.; Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, vol.19, n.2, pp. 17-23, 2008a.

LOURO, G. L.; Cinema e Sexualidade. Educação e Realidade. Vol. 33, n. 01, PP. 81-98, 2008b.

MELO, V. A. Futebol, cinema e masculinidade: uma análise de Asa Branca, um sonho brasileiro (1981) e Onda Nova (1983). Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 9, p. 234-256, 2009.

MEYER, D. E. E. Identidades traduzidas: cultura e docência teuto-brasileiro-evangélica no Rio Grande do Sul. Porto Alegre RS: Edunisc & Sinodal, 2000.

PRADO, V. M. do; RIBEIRO, A. I. M. Gêneros, sexualidades e Educação Física escolar: um início de conversa. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 2, p. 402-413, abr./jun. 2010.

PINTO, F. M., PEREIRA, L. G. A experiência de ver filmes na formação inicial de professores de Educação Física. Revista Pensar a Prática, v.8, n. 1, p. 101-115, 2005.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução as teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

SILVA, B. O.; RIBEIRO, P. R. C. Sexualidade na sala de aula: tecendo aprendizagens a partir de um artefato pedagógico. Estudos Feministas, vol.19, n.2, p. 521-533, 2011.

WEEKS, J. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte; Autêntica, p. 35-82, 1999.

XAVIER, I. Um cinema que “educa” é um cinema que [nos] faz pensar: Entrevista com Ismail Xavier. Educação e Realidade, Porto Alegre, nº 33, v. 1, jan/jun, p. 13-20, 2008.

1 Referências dos filmes

TOMBOY. Direção de Celine Sciamma, França, 2011.

LOST AND DELIRIUS/ ASSUNTO DE MENINAS. Direção de Leá Pool, Canadá, 2001.

Agradecimento a Capes BEX 1132/14-8.

Endereço: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/3686

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.