O Corpo-futurível: Ensaio Sobre as Recentes (re)descrições do Corpo Humano Rumo à Pós-organicidade

Por: André Gonçalves Ferreira, Monique Ribeiro de Assis, Renato Cavalcanti Novaes e Silvio de Cássio Costa Telles.

Motrivivência - v.30 - n.53 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Este ensaio tem como objetivo caracterizar e discutir um caminho percorrido pelo corpo na sociedade ocidental, da construção do conceito de corpo-propriedade até os dilemas pós-modernos que abriram as portas para uma nova corporeidade. Na Modernidade, o corpo fora submetido à ciência e aos meios de produção político-econômicos e, sob específicas condições, conduzido a uma descrição biologizante e utilitária. A Pós-Modernidade trouxe a crise identitária e o consequente hiperconsumismo, e assistiu esse modelo social depositar sobre o corpo suas diretrizes bioascéticas, redescrevendo-o. A necessidade de estender o tempo/espaço de consumo do corpo aproximou-se dos avanços tecnocientíficos: fármacos, próteses biônicas, cirurgias plásticas, computadores de vestir, modificações genéticas. Os desejos de anulação das coerções biológicas, de melhorias estéticas e performáticas do corpo e até mesmo a imortalidade dão origem a uma nova descrição: o corpo-futurível.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2018v30n53p181

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.