O Corpo Representado Por Mulheres na Meia Idade

Por: Maria Elisa Caputo Ferreira.

162 páginas. 1998

Send to Kindle


Resumo

Este estudo objetiva desvendar o universo das representações sociais relacionadas ao corpo da mulher que se encontra na meia idade, à crescente procura da atividade física e a preocupação com a manutenção da juventude. Busca mapear o mundo de significados que envolvem essa fase da vida, que corresponde à faixa 46-60 anos. A pesquisa centrou-se na análise do discurso de 40 mulheres vinculads à Universidade Federal de Juiz de Fora. Para coleta de dados, optou-se pela entrevista semi-estruturada, não-diretiva. Os relatos, gravados na íntegra em fittas K7 e transcritos minuciosamente, serviram como "corpus" para discussão e análise. A esse processo inseriu-se a descrição de outras fontes de informação como livros, artigos, resultados de pesquisas, revistas e documentos relacionados á mulher. A revisão bibliográfica foi realizada numa perspectiva histórico-social, utilizando-se referenciais teóricos de Beauvoir, 1980; Delgado & Soares, 1995; Poli, 1995; Perrot, 1995; Romero, 1995, 1997; SAfiotti, 1979; Scott, 1990; Studart, 1987. Em suas representações as mulheres que compuseram a amostra confirmam a chamada "crise" da meia-idade, abordada por Hillard, 1995; Ribeiro, 1993; Salgado, 1994. A pesquisa confirmou que as mulheres constroem suas representações de corpo a partir de normas sociais cristalizadas e passadas de geração a geração, pelas próprias mulheres. Ratifica a hipótese de que, na interação com estereótipos, os integrantes da sociedade constroem um "perfil feminino", sujeito ao "mito da beleza" e/ou da eterna juventude. A mulher pesquisada demonstrou continuar ainda em nossos dias, independente do papel social que ela assuma, cunhada pela ambivalência: de um lado, valorizada pela sociedade como mulher-mãe, mulher-santa, mulher-esposa; e de outro lado, a mulher sensual, sexualizada, objeto de desejo, que emerge neste final de milênio. A análise do conteúdo do material bibliográfico e das entrevistas confirma o cunho segregativo-social impingido à idade de 40 anos, que marca negativamente, principalmente a mulher, nessa faixa etária.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=1473&listaDetalhes%5B%5D=1473&processar=Processar

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.