O Debate em Torno das Propostas de Ensino dos Esportes Coletivos

Por: .

Educação Física Escolar e Esporte de Alto Rendimento: Dá Jogo?.

Send to Kindle


Resumo

O esporte faz da sociedade tanto quanto a sociedade faz parte do esporte (DAMATTA, 1982). Essa relação, muito mais do que apenas um jogo de palavras, revela o quanto esses dois campos estão intrinsecamente conectados e dissociá-los é reduzir o debate a uma condição de linearidade em que estando em lugares distintos poderiam conferir uma falsa ideia de independência desses dois campos.

Diante dessa relação de conexão entre esporte-sociedade, podemos afirmar que, na infância o esporte aparece para as crianças enquanto prática em espaços formais, não formais e informais. Todos esses locais podem ser chamados de espaços educativos pelo fato das crianças aprenderem, seja de forma sistematizada ou incidental, por observação.

De acordo com Libâneo (1994, p. 18), eDd ntre os espaços formais estão as escolas ou outras “agências de instrução e educação (igrejas, sindicatos, partidos, empresas) implicando ações de ensino com objetivos pedagógicos explícitos, sistematização, procedimentos didáticos”. O ensino não formal é classificado pelo autor como sendo um espaço em que acontece a prática educativa estruturada fora do sistema convencional. Os informais seriam os espaços fora destes contextos listados e caracterizados, especialmente, pelas práticas de esporte em praças, parques, quadras, rua, praia, espaços caracterizados pela ausência de supervisão e sem a preocupação de possuir uma prática educativa estruturada.

O esporte escolar, especialmente pelo seu caráter reprodutivista e conservador (RODRIGUES e DARIDO, 2008) sofreu duras críticas e, que muitas vezes, trouxe uma visão maniqueísta embutida por meio da crítica que significava a exclusão do esporte do contexto escolar (BRACHT, 2000). Foi nessa linha que Soares et al. (1992), pontuaram a subordinação da Educação Física aos aspectos capitalistas que o esporte carrega, tais como a lógica das instituições esportivas, rendimento corporal e competição, e ao acontecer isso o esporte passa a ser tratado de forma homogênea como se houvesse apenas uma única forma de praticá-lo.

Referências

BALBINO, H.F. Pedagogia do treinamento: método, procedimentos pedagógicos e as múltiplas competências do técnico nos jogos desportivos coletivos. 2005. 262 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

BAYER, C. O ensino dos deportos colectivos. Lisboa: Dinalivros, 1994.

BETTI, M. Esporte espetáculo e mídias: implicações para a Qualidade de Vida. In: WAGNER, W.W.; SIMÕES, R. (Orgs.) Esporte como fator de qualidade de vida. Piracicaba: Editora Unimep, 2002.

BETTI, M.; DAOLIO, J.; VENÂNCIO, L.; SANCHES NETO, L.; SOUZA, A. dos S.; SILVEIRA, S.R. Caderno do professor: educação física, ensino fundamental. Secretaria da Educação: São Paulo, 2008.

BRACHT, V. Esporte na escola e esporte de rendimento. Movimento, Porto Alegre, n.12, p.14-24, 2000.

BROHM, J. Sociologia política del deporte. Cidade do México: Fondo de Cultura Economica, 1982.

CASTRO, J.A.; GIGLIO, S.S.; MONTAGNER, P.C. O jogo no ensino do handebol: proposta de um plano de ensino pensado para a prática diária. Motriz, Rio Claro, v.14 n.1 p.67-73, jan./mar. 2008.

COSTA, J.C.; GARGANTA J.; FONSECA, A.; BOTELHO, M., Inteligência e conhecimento específico em jovens futebolistas de diferentes níveis competitivos. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v.2, n.4, p.7-20, 2002.

DAMATTA, R. (Org.). Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

DAOLIO, J. Jogos esportivos coletivos: dos princípios operacionais aos gestos técnicos – modelo pendular a partir das ideias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v.10 n.4, p.99-103, 2002.

DAOLIO, J.; VELOZO, E.L. A técnica esportiva como construção cultural: implicações para a pedagogia do esporte. Pensar a Prática, Goiânia, v.11, n.1, p.9-16, 2008.

ELIAS, N.; DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

FREIRE, J.B. Questões psicológicas do esporte. In: WAGNER, W.W.; SIMÕES, R. (Orgs.) Esporte como fator de qualidade de vida. Piracicaba: Editora Unimep, 2002.

GALATTI, L. R.; PAES, R.R. Pedagogia do esporte e aplicação das teorias acerca dos jogos esportivos coletivos em escolas de esportes: o caso de um clube privado de Campinas-SP. Conexões, Campinas, v.5, n.2, p.31-44, 2007.

GARGANTA, J. Para uma teoria dos jogos desportivos colectivos. In: GRAÇA, A.;OLIVEIRA, J. (Orgs.). O ensino dos jogos desportivos. 2. ed. Porto: Universidade do Porto, 1995.

GRAÇA, A.; MESQUITA, I. A investigação sobre os modelos de ensino dos jogos desportivos. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v.7, n.3, p.401-421, 2007.

GRECO, P.J. Iniciação esportiva universal: metodologia da iniciação esportiva. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Ed. Unijuí, 2000.

LIBÂNEO, José C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MARQUES, R.F.R. Sistematização do ensino dos esportes coletivos para crianças: o caso do futsal. 2001. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2001.

MARQUES, R.F.R.; ALMEIDA, M.A.B. de; GUTIERREZ, G.L. Esporte: um fenômeno heterogêneo: estudo sobre o esporte e suas manifestações na sociedade contemporânea. Movimento, Porto Alegre, v.13, n.03, p.225-242, set./dez. de 2007.

MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MENEZES, R.P. O ensino dos sistemas defensivos do handebol: considerações acerca da categoria cadete. Pensar a prática, Goiânia, v.13, n.1, p.1-16, 2010.

MENEZES, R.P.; MARQUES, R.F.R.; NUNOMURA, M. Especialização esportiva precoce e o ensino dos jogos coletivos de invasão. Movimento, Porto Alegre, v.20, n.1, p.351-373, jan./mar. 2014.

MONTAGNER, P.C. A formação do jovem atleta e a pedagogia da aprendizagem esportiva. Campinas, 1999. 203f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, 1999.

REVERDITO, R.S.; SCAGLIA, A.J.; PAES, R.R. Pedagogia do esporte: panorama e análise conceitual das principais abordagens. Motriz, Rio Claro, v.15, n.3, jul./set. 2009.

RODRIGUES, H. de A.; DARIDO, S. C. A técnica esportiva nas aulas de educação física: um olhar sobre as tendências sócio-culturais. Movimento, Porto Alegre, v.14, n.2, p.137-154, maio/agosto de 2008.

SCAGLIA, A.J.; REVERDITO, R.S.; LEONARDO, L.; LIZANA, C.J.R. O ensino dos jogos esportivos coletivos: as competências e a lógica do jogo em meio ao processo organizacional sistêmico. Movimento, Porto Alegre, v.19, n.4, p.227-249, out-nov 2013.

SCAGLIA, A.J. O futebol e o jogo/brincadeira de bola com os pés: todos semelhantes, todos diferentes. 2003. 164f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

SCAGLIA, A.J. O futebol que se aprende e o futebol que se ensina. 1999. 255 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

SOARES, C.L.; TAFFAREL, C.N.Z.; VARJAL, E.; CASTELLANI FILHO, L.; ESCOBAR, M.O.; BRACHT, V. Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

STIGGER, M.P. Educação Física, esporte e diversidade. Campinas: Autores Associados, 2005.

TEODORESCU, L. Problemas da teoria e metodologia nos jogos desportivos. Lisboa: Livros Horizonte, 2003.

TOLEDO, L.H. de. Futebol e teoria social: aspectos da produção científica brasileira (1982-2002). Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais. São Paulo, n.52, p.133-165, 2001.

WERNER, P.; THORPE, R.; BUNKER, D. Teaching games for understanding evolution of a model. Journal of Physical Education, Recreation and Dance, Reston, v.67, n.1, p.28-33, 1996.

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.