O Deficiente Auditivo e o Mercado de Trabalho

Por: Maria Cristina da Fonseca Redondo.

183 páginas. 1990

Send to Kindle


Resumo

Este estudo objetivou verificar como as pessoas portadoras de deficiência auditiva participavam do mercado de trabalho na Grande São Paulo. Procurou-se registrar, através de informações colhidas entre os deficientes auditivos, aspectos pertinentes a: patologia auditiva, escolaridade, formação profissional, ocupações desempenhadas, vida profissional, acesso e reivindicações sobre o mercado de trabalho. Alguns dados obtidos puderam ser comparados com os trabalhadores da Grande São Paulo, constantes do IBGE. De modo geral, constatou-se que existe um mercado de trabalho para esses profissionais, mas trata-se de um mercado com abertura recente, parcial e resultante da lacuna deixada pelos demais trabalhadores. Encontrou-se, entre os trabalhadores pesquisados, manifestações de contentamento profissional pela ocupação desempenhada ou pelo fato de terem uma atividade produtiva. Todavia, foram registradas posições de descontentamento profissional com a ocupação exercida e pela remuneração recebida. Na visão dos deficientes auditivos, o mercado de trabalho é menos acessível devido à deficiência auditiva (comunicação) e à discriminação e preconceito por parte dos empregadores. Assim, reivindicaram medidas governamentais que conduzissem à ampliação do mercado de trabalho como forma de participação mais efetiva dessa força de trabalho. Concluiu-se que, atuando, o deficiente auditivo poderá demonstrar que é tão eficiente como outro trabalhador qualquer.

Endereço: http://www.nuteses.temp.ufu.br/tde_busca/processaPesquisa.php?pesqExecutada=2&id=685&listaDetalhes%5B%5D=685&processar=Processar

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.