O Discurso Docente Sobre o Rugby Como Via de Empoderamento de Meninas na Educação Física Escolar

Por: Fabiano P. Devide e Izabela S. Moreira.

XXI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VIII CONICE - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO

O rugby se constitui num esporte de invasão territorial, com contato físico, que se apoia em características como força, agressividade, combatividade e velocidade. Nesta arena reverberam valores interpretados como masculinos (RIAL, 2011), que afastam esta modalidade de estereótipos historicamente associados à feminilidade hegemônica: beleza, graciosidade, fragilidade e maternidade (GOELLNER, 2003). Praticado em mais da metade dos Estados brasileiros, somente na década de 1980 foram criadas as primeiras equipes femininas de rugby (OLIVEIRA; OLIVEIRA, 2005), atestando a assimetria de gênero nesta modalidade. Apesar dos resultados da seleção feminina brasileira serem expressivos se comparados aos da masculina, a presença das mulheres no rugby ainda não o ressignificou como uma prática destinada a ambos os sexos, sendo representado como masculino e reprodutor de signos que reforçam a misoginia e a homofobia (DUNNING, 1992). Esta pesquisa focaliza os saberes de docentes de Educação Física Escolar (EFe) sobre o rugby enquanto ferramenta de empoderamento de meninas (BRAUNER, 2015). Para tal, visa responder ao problema: Como docentes de EFe interpretam o rugby enquanto uma prática corporal generificada, a ser utilizada no combate às desigualdades de gênero e na promoção do empoderamento feminino?

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.