O Efeito da Distância Sobre a Coordenação do Arremesso de Jump no Basquetebol

Por: Fábio Heitor Alves Okazaki, Jeffer Sasaki, Luis Teixeira e .

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo


O aumento da distância do arremesso faz com que o jogador tenha que gerar
maior impulso para lançar a bola (MILLER & BARTLETT, 1993). Este maior
impulso pode ser desempenhado através de diferentes estratégias coordenativas
(RODACKI et al., 2005; OKAZAKI, 2004). Contudo, ainda não são claras as
estratégias coordenativas realizadas no arremesso, em função do aumento da
distância. Desta forma, este estudo objetivou analisar a coordenação do
arremesso de jump no basquetebol, em função do aumento da distância. Uma
análise cinemática (2D, 60Hz, plano sagital) foi realizada para analisar doze
atletas masculinos de basquetebol (23,0 ± 4,8 anos; 81,5 ± 14,2 kg; 1,9 ± 0,1
m) com 10,2 ± 4,5 anos de experiência, arremessando de três distâncias (2,8
m; 4,6 m; 6,4 m). Um modelo biomecânico (6 pontos definindo 4 segmentos
do corpo) forneceu os deslocamentos e velocidades angulares da articulação
do ombro, cotovelo e punho. As imagens foram digitalizadas através do software
de análise de movimento Dgeeme. Um filtro recursivo de segunda ordem do
tipo Butterworth (10Hz) foi utilizado para atenuar ruídos no sinal (software
Biomechanics ToolBox). O teste de Kolgomorov-Smirnov confirmou a
normalidade dos dados. Os dados foram normalizados em função do tempo
de movimento (100%) para permitir o agrupamento e análise do arremesso
através de uma função Spline. O teste de ANOVA ONE WAY foi utilizado
para verificar as diferenças em função da distância de arremesso. Para verificar
onde as diferenças ocorreram foi utilizado o teste de Tukey com nível de
significância de p<0,05. As análises estatísticas foram realizadas através do
software STATISTICA® (v.6.0). O aumento na distância do arremesso resultou
na reorganização dos parâmetros de controle do movimento de arremesso.
Foi sugerido que a articulação do cotovelo pode não ser um fator chave na
geração de propulsão da bola, o qual foi alcançada através das articulações do
ombro e punho. A ausência de mudança na velocidade angular do cotovelo
sugere que esta articulação pode estar mais associada à precisão do arremesso

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/72_Anais_p377.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.