O Efeito do Treino de Força Sobre o Salto Vertical em Jogadores de 10-13 Anos de Idade

Por: J J González-badillo e M a C Marques.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.13 - n.2 - 2005

Send to Kindle


Resumo

Introdução: Em basquetebol, para além do trabalho específico das habilidades motoras, técnicas e tácticas próprias do jogo, há que cuidar dos aspectos directamente relacionados com a força muscular, que se assume como uma capacidade importante para aumentar o rendimento dos jogadores de basquetebol, em particular quando se refere à manifestação explosiva da força em crianças pré-púberes. Foi propósito do nosso estudo reflectir, essencialmente, sobre as questões relacionadas com o desenvolvimento da força explosiva em jogadores de basquetebol (pré-púberes), aplicando um treino de força (pesos livres), tentando perceber os seus efeitos, por oposição à não utilização de qualquer tipo de treino com cargas. Metodologia: Metade dos atletas realizou durante oito semanas três sessões normais de treino de basquetebol (grupo de controlo: GC, n = 10; 10 a 13 anos de idade). Os restantes sujeitos que fizeram parte do grupo experimental (GE, n = 10; 10 a 13 anos de idade), para além do treino regular de basquetebol (três vezes por semana), foram submetidos, antes de cada sessão de treino, a um trabalho de força com pesos livres (frequência bi-semanal). Os sujeitos foram testados no pré e pós-treino, nos indicadores: salto vertical sem contramovimento (SV) e com contramovimento (SCM). Os procedimentos estatísticos utilizados foram: média aritmética, desvio padrão, análise da variância (ANOVA), análise da covariância (ANCOVA) e o t-teste para análise de amostras correlacionadas. Foi aceite um nível de significância de 5%. O programa estatístico utilizado foi o SPSS.10. Resultados: Os resultados finais indicaram que o GE melhorou significativamente a força explosiva medida através do SV e no SCM. Em contrapartida, o GC incrementou os mesmos indicadores de força explosiva (SV e SCM), sem expressão estatisticamente significativa. Conclusões: a) O GE melhorou de maneira significativa a força explosiva medida através do SV e do SCM, não ocorrendo idêntica significância com o GC; b) um trabalho ligeiro de força dinâmica com pesos livres pode ser eficaz em crianças de 10 a 13 anos de idade para a melhoria da capacidade de salto vertical; c) os incrementos obtidos na impulsão vertical foram conseguidos sem haver necessidade de realizar-se o trabalho dito “pliométrico”.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/630/641

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.